terça-feira, 25 de setembro de 2012

Wax Gourd – Melão de Inverno–Benincasa hispida

 

Wax Gourd

O Melão de Inverno é um planta ideal para climas quentes já que precisa de uma longa sessão para alcançar seu peso de  20 a 50 kg!!

As frutas fechadas podem ser armazenadas num lugar frio durante meses para ser consumidas mais tarde, mas uma vez abertas devem ser usadas na cozinha em uns dias.

A planta produz frutas em cipós, ou seja deve ser oferecido suporte para trepar e depois devem se segurar os frutos com cordas e redes, caso contrario o peso deles vai produzir problemas na planta!!

TRUQUES DE GERMINAÇÁO

Se recomenda apertar as sementes pelos lados com cuidado, para facilitar a entrada de umidade. Despois disso deixar em molho por 24 horas e plantar, cobrindo as sementes com 1 cm de terra leve. Molhas diariamente até a brotaçao.

NOTA IMPORTANTE:  A Benincasa hispida necessita que abelhas ou outros insetos executem o processo de polinização. Se os insetos não estão disponíveis em sua área, este processo pode ser feito manualmente, pegando o pólen nas flores masculinas e transferindo para as femininas.  Este processo deve ser executado durante o dia, não a noite!

Esta planta não sobre muito com pragas e pestes, já que esta recoberta com pequenos cabelos que os afastam.

CUIDADO:  Esta é uma planta que cresce muito, pense nisso antes de plantar no lugar definitivo!!

Os Melões de Inverno tem que ser cultivados a pleno sol, em terra muito rica em matéria orgânica e bem drenada. MOLHAR EM ABUNDANCIA, GOSTA DE AGUA MESMO, só não estancada!

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Ficoides – Tapete Magico

 

 

 

 

Nome Científico: Dorotheanthus bellidiformis
Família: Aizoaceae
Origem: África do Sul
Porte: 10 a 20 cm
Tempo para germinação: 6 a 15 dias
Tempo para florescimento: 4 meses

Cores: branco, rosa, lilás e roxo

Características: Planta rasteira com folhas suculentas  e flores abundantes. Em razão de seu crescimento rasteiro e da floração abundante que cobre o solo de várias cores brilhantes, também é chamada de Tapete Mágico.
As flores surgem em cores sortidas, luminosas e brilhantes, como branco, rosa, lilás e roxo, lembrando as margaridas. Porte baixo, não supera os 10 a 20 cmde altura.
As folhas apresentam papilas que se assemelham a pequenos cristais, dando a impressão de que a planta está coberta de pequenas gotas de gelo, esse efeito deu origem a um dos seus nomes populares: planta de gelo (Ice Plant).

CULTIVO:

Se recomendo colocar as sementes na superfície do solo e apertar bem sem enterrar, ja que a luz ajuda na germinação.

Sol pleno,  Solos arenosos e bem drenados. As regas devem ser regulares, mas sem exagerar.  Também é bem resistente à maresia, sendo ideais para o plantio em regiões à beira-mar.

Suporta  clima frio e até geadas.

Mini Abóboras

 

DSC07277

As Mini Abóboras  são muito versáteis na cozinha. Podem ser consumidas refogadas ou em saladas como as demais abóboras. Mas pelo seu tamanho são ideais para ser preparadas inteiras recheadas e servidas em pratos individuais.

Tem longa vida na prateleira, em torno de 40 dias.

Seu ciclo de cultivo é de 55 dias no verão. Pode ser plantada após o perigo de geadas em  em São Paulo, no sul de Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná. Nos demais estados e regiões, durante o ano inteiro. Leva de 4 a 8 dias para germinar e a temperatura ideal para germinação é de 20  a 30 C.

Pelo tamanho reduzido pode ser plantada em vasos.

Cultivar a pleno sol.

Se recomenda oferecer um suporte para crescer, já que se bem podem ser cultivadas como rasteiras, crescendo no solo, serão muito mais propensas a fungos e doenças.

Irrigar diariamente, evitar ao máximo de molhar as folhas, também para evitar fungos e doenças.

Solo muito rico em matéria orgânica. Se recomenda o uso semanal do Fertilizante Milagre.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

KIRI - Princess Tree – Paulownia tomentosa


Paulownia_Tomentosa

MUITO IMPORTANTE

Estas sementes germinaram unicamente com luz!!  Molhe e alise a terra antes de plantar. Plante na superfície, a terra úmida grudará as sementes.

Na hora de molhar, evite a água com muita força que pode enterrar as sementes!!
Cobrir as sementes plantadas com palha de trigo ou semelhante. Isto manterá as sementes úmidas e iluminadas na dose certa.
Coloque um tecido de voile ou similar sobre a palha, para protegera a palha e as sementes da agua e do venta.
Molhe as sementes diariamente, ate que o solo embaixo da palha este bem úmido. NAO DEIXE AS SEMENTES SECRAR, OU MORRERÃO.
Remova as coberturas quando as plantinhas comecem a crescer a traves da palha e transplantar ao lugar definitivo quando estas tenham 20-30 cm.



Aroeira molle - Schinus molle

 

Schinus molle

 

Produção de mudas – A semeadura deve ser efetuada diretamente em canteiros semi-sombreados com substrato de solo arenoso. Cobrir apenas levemente as sementes com terra peneirada e, irrigar duas vezes por dia. A germinação não é muito abundante (50%) demorando de 30-40 dias. O plantio no local definitivo pode ser iniciado quando as mudas atingirem 25-40 cm em embalagens individuais. O desenvolvimento das plantas no campo é rápido, alcançando facilmente 3 m aos 2 anos. Árvores Brasileiras - Harri Lorenzi -vol.1 - pag.23

Recomendamos o uso de GA3 por 48 horas antes de semear.

Mexican Prickly Poppy - Argemone mexicana

 

Argemone mexicana

 

As sementes de Argemone mexicana  usualmente germinam em 2 semanas.

Plantar a10mm de profundidade em solo muito bem drenado.

Temperatura ideal 20 a 25°C.

Se recomenda seu plantio no lugar definitivo,

Callery Bradford Pear

Sendo uma arvore de clima frio, resulta um verdadeiro desafio seu cultivo no Brasil.

Colocar as sementes num saquinho zip-lock na geladeira (prateleira de vegetais) por 60 dias.

Remover da geladeira e deixar em molho em GA3 por 48 horas antes de semear.

Semear normalmente, cobrindo as sementes com terra e mantendo a terra úmida mas não alagada.

Beach Salvia - Salvia africana lutea

 

Salvia africana lutea

As sementes de Beach Salvia normalmente germinam em 14-21 dias, mas inclusive em boas condições, a germinação pode ser errática e demorar até 3 meses ou mais.

MUITO IMPORTANTE

Estas sementes germinaram unicamente com luz!!! Plante na superfície, e aperte as sementes sobre o substrato ou terra para fixar-las no lugar.

Na hora de molhar, evite a água com muita força que pode enterrar as sementes!!

Temperatura ideal: 20-25°C.

COMO SEU NOME INDICA, ESTA PLANTA E MUITO BOA PARA SER CULTIVADA E AREAS MARITIMAS!

Nativa de África do Sul, tolera  frio e a seca. Florescerá em 18 meses a partir da semeadura.

Salvia africana-lutea  cultivada como ornamental, suas folhas aromáticas são usadas para fazer um chá contra gripes e bronquites e para a confecção de misturas “pot-pourri”.

Palan Palan – Nicotiana glauca


Nicotianaglauca
MUITO IMPORTANTE
Estas sementes germinaram unicamente com luz!!! Plante na superfície, e aperte as sementes sobre o substrato ou terra para fixa-las no lugar.
Na hora de molhar, evite a água com muita força que pode enterrar as sementes!!
Planta silvestre (selvagem), não apresenta dificuldades na germinação seguindo o “segredo” acima.
Gosta de solos bem drenados mas se adapta a todo tipo de solos, inclusive os arenosos (achamos ela crescendo na praia mesmo, em Cabo frio)
Normalmente germina em 10-20 dias.

Calceolaria mexicana

 

Calceolaria_mexicana

 

As sementes de Calceolaria mexicana normalmente germinam em 14-21 dias, mas inclusive em boas condições, a germinação pode ser errática e demorar até 3 meses ou mais.

MUITO IMPORTANTE

Estas sementes germinaram unicamente com luz!!! Plante na superfície, e aperte as sementes sobre o substrato ou terra para fixa-las no lugar.

Na hora de molhar, evite a água com muita força que pode enterrar as sementes!!

Temperatura ideal 22 a 25°C.

Manter apenas úmido, não deixar secar, mas não molhar em excesso,

Dusky Coral Pea–Kennedia rubicunda

 

Kennedia rubicunda

 

Fantástica planta rasteira ou trepadeira da Austrália. Cresce até 3 m.

Germinação: 5-15 dias

Pre-tratamento:  Coloque agua fervendo sobre as sementes (sem medo rsrsrss!!) e deixe em molho por 24 horas. Plante as sementes que fiquem no fundo, e repita o tratamento com as outras!

Se tem acesso a GA3, deixe 24 horas extras em molho em GA3.

Plantar numa profundidade igual ao do tamanho da semente, manter apenas úmido e quente.

Pode ser cultivada em áreas perto do mar!

Epazote – Erva de Santa Maria –Chenopodium ambrosioides

 

Esta planta tem naturalmente um baixo índice de germinação (25%), com um processo germinativo lento e desuniforme.

Estudos realizados mostram que deixando as sementes em molho por 24 horas com GA3 melhora muito a germinação.

Se bem algumas sementes germinam em 2 a 3 semanas, podem demorar ate 6 meses em britar!

NÃO GOSTA DE TRANSPLANTE, PLANTAR NO LUGAR DEFINITIVO.

Agastache rugosa

 

Curiosidades: O agastache é formada pelas palavras gregas "muito" e "espiga de trigo", em referência às espigas de flores.

A Agastache rugosa é uma planta muito utilizada na medicina tradicional chinesa indicada para "transformar a umidade". Seus usos incluem náuseas, vômitos, diarreia e edema.

Plantio – São plantadas em sombra leve e solo neutro ou levemente ácido.

Propagação - Plante as sementes na primavera ou inverno, geralmente costumam levar de 6-12 semanas para germinar. SENDO UMA PLANTA DE CLIMA TEMPERADO SUA GERMINAÇAO EM NOSSOS CLIMAS é DIFICULTOSA. Recomendamos testar com GA3.

Transplante para o vaso quando tiver tamanho suficiente. As plantas já firmadas produzem brotos basais na primavera, use-os como estacas herbáceas e plante-os no verão ou multiplique as plantas por divisão de raiz.
Manutenção - A agastache costuma ser robusta. Em regiões de clima frio, mantenha as plantas em estufas e transfira-as para o jardim na segunda primavera; em climas quentes faça-o no primeiro verão.
Pragas e Doenças - Insetos que comem as folhas podem ser um grande problema.
Colheita e armazenamento - Use as folhas e flores recém-colhidas ou seque-as pendurando de cabeça para baixo em pequenos molhos, longe do sol direto manterão a cor e o aroma.
Culinária - As flores do agastache produzem bastante néctar e eram muito apreciadas pelos apicultores norte-americanos do século 19, pelo mel que elas dão e com leve sabor de anis. Os índios norte-americanos usam-nas em chás e como adoçante.
        Pode-se tomar quente ou gelada a infusão das folhas secas. Use-as também para temperar carneiro, frango ou salmão e incrementar bolos e bolinho. Você também pode usar em saladas as flores ou folhas frescas de menta-coreana, cujo sabor e aroma se assemelham ao da hortelã-pimenta e do anis, substitui bem a hortelã.

Fonte: Caminho das Ervas

California poppies - Eschscholzia californica - Papoula da Califórnia

 

California Poppie Mix

     A Papoula da California, é uma planta silvestre que cresce em áreas abertas desde o nível do mar até os 2000m de altitude no oeste dos Estados Unidos ao longo da Califórnia, e outros estados da costa este, assim como no México.

    Cresce até 50 a 60cm de altura, com um uma folhagem alternada entre o verde azulado e o esbranquiçado. As flores são solitárias em longos estamos, com textura sedosa e quatro pétalas de 2 a 6cm cada, longas e largas. As cores das plantas silvestres são amarelas ou laranjas, existindo cultivares com muitas outras cores, ou dobradas, a venda na PLANTAMUNDO.

Ela é perene em todo os climas do Brasil. Cresce melhor em Sol pleno e solo arenoso, bem drenado e pobre em matéria orgânica.

Ela cresce bem em áreas problemáticas e oferece cobertura pós queimadas. É ainda cultivada para embelezamento paisagístico, sendo muito plantadas nas laterais de estradas em áreas desérticas e de solo ruim.

Ela é tolerante à seca e se auto reproduz com velocidade, razão pela qual é tida como invasiva e até praga em algumas partes.

Cultivo
Sendo uma planta silvestre não apresenta qualquer dificuldade no seu cultivo, podendo simplesmente ter suas sementes jogadas ao solo apenas cobrindo elas com uma capa bem delgada de terra. Prefere solos pobres, arenosos e bem drenados, sol pleno e nenhuma intromissão humana!

Germina de 2 a 3 semanas.

CENOURA–CENOURAS

 

Cenoura Rainbow

 

CLIMA

A temperatura é o fator climático mais importante para a produção de raízes. Temperaturas de 10 a 15 ºC favorecem o alongamento e o desenvolvimento de coloração característica, enquanto temperaturas superiores a 21 ºC estimulam a formação de raízes curtas e de coloração deficiente. Existem cultivares que formam boas raízes sob temperaturas de 18 a 25 ºC. Em temperaturas acima de 30ºC, a planta tem o ciclo vegetativo reduzido, o que afeta o desenvolvimento das raízes e a produtividade. Temperaturas baixas associadas a dias longos induzem o florescimento precoce, principalmente daquelas cultivares que foram desenvolvidas para plantio em épocas quentes do ano.

A germinação das sementes ocorre sob temperaturas de 8 a 35 ºC, sendo que a velocidade e a uniformidade de germinação variam com a temperatura dentro destes limites. A faixa ideal para uma germinação rápida e uniforme é de 20 a 30 ºC, dando-se a emergência de 7 a 10 dias após a semeadura.

A alta umidade relativa do ar associada à temperaturas elevadas favorece o desenvolvimento de doenças nas folhas durante a fase vegetativa da cultura.

PLANTIO

O plantio da cenoura é feito com a semeção direta no solo.As sementes são distribuídas uniformemente, e em linha contínua nos sulcos com 1,0 a 2,0 cm de profundidade e distanciados de 20 cm entre si.

Prestar atenção especial deve ser dada a profundidade de semeadura. As sementes de cenoura são pequenas (840 sementes/grama), possuem pouca reserva e as plântulas que emergem são tenras e delicadas. Se a profundidade de semeadura for muito maior que 2,0 cm, as plântulas podem ter dificuldades em emergir ou até mesmo não emergirem. Se for muito superficial, menos de 1,0 cm, poderá haver falhas de germinação devido ao secamento da camada superficial do solo, arranquio ou arraste das sementes pela água de irrigação ou chuva forte.

Irrigação

A produtividade e a qualidade das raízes de cenoura são intensamente influenciadas pelas condições de umidade do solo. Assim, para a obtenção de altos rendimentos é necessário o controle da umidade do solo durante todo o ciclo da cultura para deste modo, determinar o momento da irrigação e a quantidade de água a ser aplicada. O sistema de irrigação mais utilizado em pequenas áreas é o de aspersão convencional ,

De modo geral, a primeira irrigação após o plantio deve ser feita de tal modo que se molhe até 20 cm de profundidade. Do plantio até o raleio, as irrigações devem ser leves e frequentes (1 a 2 dias). Depois desta fase até a colheita, pode-se aumentar a lâmina de água e o turno de rega.

Colheita

Dependendo da cultivar, das condições de clima e dos tratos culturais, a colheita da cenoura pode ser feita de 80 a 120 dias decorridos da semeadura.

O amarelecimento e secamento das folhas mais velhas e o arqueamento para baixo das folhas mais novas são indicativos do ponto de colheita.

FONTE EMBRAPA HORTALIÇAS

Johnny Jum Up - Viola cornuta


Johnny Jump Up

A temperatura ideal de germinação e de 20 graus, sendo praticamente imposivel a germinação com altas temperaturas. No Brasil a melhor epoca de plantio é o outono, para ter floração na primaveira.  COLOQUE AS SEMENTES NA GELADEIRA POR 6 A 8 SEMANAS ANTES DE PLANTAR.

Selecione um local apropriado para as violas crescerem. Elas crescem melhor quando recebem luz solar direta total ou parcial, assim que procure uma área bem iluminada para plantar. Sendo uma planta de clima temperado, somente no sul poderá ser plantada no sol total!

Encontre um local com um solo rico, com boa umidade e boa drenagem natural, já que nem as sementes nem as plantas tolerarão água parada.

Podem ser plantadas no lugar definitivo, após as geadas (onde tiverem!) ou em sementeiras para seu transplante.

 Cobrir as sementes com uma camada de 5mm de solo (estas sementes tem que estar no escuro para germinar) 

Molhe sem exagerar, a germinação é lenta e errática.

RECOMENDAMOS O USO DE GA3 por 48 horas antes de plantar.

Semear com um espaçamento de 15 cms.





sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Afrodisíaco Natural–Tribulus terrestris


File:Starr 030612-0063 Tribulus terrestris.jpg

Instruções de Cultivo

1- Selecione uma área que receba sol pleno e não junte água depois de uma chuva forte. Esta planta é nativa de regiões com pouca umidade!! Retire toda a grama e as ervas daninhas da terra já que esta planta e rasteira e precisa de terra limpa para crescer. Cada planta pode crescer até 1.5 metros!

2- Plante as sementes de Tribulus a 1-2 cm sob a terra e 15 cm entre elas. Pode ser plantada o ano todo em área livres de geada, em áreas com geadas plantar após o perigo destas tenha passado. Molhe bem!

3- Mantenha a terra úmida por todo o período de germinação e reduza a rega a duas vezes por semana uma vez você comece a ver crescimento. Floresceram em aproximadamente três semanas depois de germinação!! Na sua região de origem e considerada uma erva daninha pelo que deve ser plantada com cuidado para evitar potencialmente escape de cultivo.

4- Sendo uma planta selvagem, e não domesticada por séculos de cultivação, a germinação é naturalmente errática, e pode acontecer em uns poucos dias o meses.

5- Corte algumas flores para ter maiores crescimento. Desde que a planta é anual, morrerá depois de alguns meses e ter cumprido seu ciclo.

COMPRE SEMENTES CLICANDO AQUI




domingo, 2 de setembro de 2012

Trichosanthes


Trichosanthes kirilowiiTrichosanthes kirilowii1
Trichosanthes kirilowii.
Planta MEDICINAL e frutos COMESTIVEIS.  É uma das 50 plantas fundamentais da medicina chinesa.
Nativa do Sul da China e Vietnã.
Trepadeira, precisa de suporte (tipo espaldar ou parreira) para crescer.
Planta DIOCA, as flores masculinas e femininas crescem em plantas diferentes, pelo que tem que ter pelo menos uma planta macho e uma fêmea para ter frutos.
Não tolera geadas, mas em áreas de clima bem frio pode ser cultivada como anual.
Requer terra rica em matéria orgânica e boa irrigação.




domingo, 19 de agosto de 2012

Aspargo – Aspargos

 

Aspargo

O gênero Aspargus tem mais de uma centena de espécies espalhadas pelo mundo, nas regiões temperadas e tropicais, todas elas perenes e em geral, cultivadas para fins ornamentais.

O aspargo utilizado como hortaliça, classificado botanicamente como Asparagus officinalis, L., originário da Europa, onde tem sido cultivado há mais de 2.000 anos, tanto para fins alimentares, como medicinais. Ë planta dióica, isto é, existem plantas masculinas e plantas femininas. As flores das plantas femininas recebem o pólem das flores das plantas masculinas, por meio de insetos. O fruto é uma baga, carnosa e vermelha, quando maduro. Cada baga contém três a quatro sementes, angulosas e pretas.

As raízes são numerosas, carnosas, desenvolvem-se horizontalmente e constituem órgãos de reserva de alimentos. Nascem do rizoma e a esse conjunto dá-se o nome de “garra” ou “aranha”. As raízes novas, que se formam anualmente, nascem acima das velhas, que morrem quando as mais novas estão bem desenvolvidas.

A “garra” ou “aranha”, com um a dois anos de idade é a muda do aspargo.

A parte aérea que nasce de botões existentes no rizoma, é constituída por várias hastes com pequeninas folhas.

Numa plantação, os primeiros brotos ou “turriões” da parte aérea são utilizados como alimento; os demais devem ser deixados para crescer e formar novas reservas nas raízes.

As hortaliças, em geral, são plantas de rápido crescimento, produzindo em poucos meses com exceção do aspargo, que demora cerca de três anos para iniciar a colheita, a contar da data da sementeira.

Esse período poderia ser reduzido para dois anos, se existissem à venda mudas ou “garras” de boas variedades, de um ano. Como isso, o lavrador precisa, quase sempre, fazer sua própria sementeira.

Deve ser considerado, entretanto, que o aspargo é planta perene, o que não acontece com as outras hortaliças.

O período de tempo de produtividade de um aspargo depende de muitos fatores, como sejam:

  • Variedade
  • Condições de solo
  • De clima
  • Adubação
  • Tratos culturais

Tal período pode variar de seis a quinze anos. É geralmente menor nos solos de fraca fertilidade, e maior nos solos mais pesados e ricos. O encharcamento do solo reduz o período de produtividade.

Após o término da cultura do aspargo, deve-se proceder ao arrancamento das plantas, por meio de sulcadores. Muitas raízes permanecerão ainda vivas; várias arações facilitarão a sua morte.

Não plantar aspargo novamente no mesmo local, pois isso conduzirá à redução apreciável na produtividade.

Deve-se fazer rotação de cultura plantando-se, após o aspargo, cereais, adubos verdes ou outras hortaliças.

Voltar com aspargo somente depois de sete a Oito anos.

O cultivo do aspargo é objeto de importante atividade agrícola em muitos países de clima temperado. No Brasil, é pouco cultivado, devido às suas exigências em relação a clima, solo, colheita, conservação e tratos culturais.

Os estados sulinos são os que se prestam a essa cultura, situando-se as maiores plantações no Rio Grande do Sul.

Em São Paulo, apresentam melhores condições para o cultivo do aspargo as regiões mais frescas, como Campos do Jordão, São Roque, Vargem Grande, Piedade, São Miguel Arcanjo, Capão Bonito, a Capital e vizinhanças, Águas da Prata, Socorro, etc., desde que se faça a correção da acidez do solo, quando necessário, a adubação completa, além de outros tratos culturais.

O aspargo é planta dióica, isto é, apresenta plantas masculinas produzem flores estamidas e plantas femininas, que somente produzem flores pistiladas e são as que dão frutos.

Quando se faz a sementeira de aspargo, a probabilidade de uma planta masculina ou feminina é a mesma, ou seja, 1:1. É fato confirmado que as plantas masculinas produzem maior número de turriões do que as femininas, especialmente no início da colheita. Também na produção total, em peso, as plantas masculinas superam em ce de 20% as femininas, mas estas formam turriões mais grossos. Estudos efetuados nos Estados Unidos, concluem que, economicamente, não é vantajoso eliminar as plantas femininas que constituem, praticamente, metade das plantas obtidas na sementeira.

Variedades

Existem poucas variedades de aspargo que se assemelham pelo aspecto da planta. Por possuírem as plantas sexo separado, é comum o cruzamento, dando origem à mistura de linhagens.

Algumas linhagens e variedades distinguem-se pela produtividade e resistência à “ferrugem”, moléstia de fungo que ataca as hastes e folhas do aspargo.

Assim, a variedade Mary Washington, obtida pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, a mais cultivada na Califórnia, é resistente à ferrugem. Em outras regiões daquele país, é cultivada a variedade Martha Washington, entre outras.

Entre nós, as variedades mais conhecidas são: Giant Washington; washington; Palmetto; Marta Washington e Mary Washington, todas resistente à ferrugem.

Plantio

Produção de sementes

O aspargo é multiplicado por meio de suas sementes e, para que haja produção delas, é necessário que existam plantas femininas e masculinas sendo estas as polinizadoras.

A colheita dos frutos maduros, no Estado São Paulo, é feita desde princípios de dezembro até fins de maio, especialmente de dezembro a março. A quantidade de sementes produzida por planta é variável de acordo com clima, idade da planta, variedade, sol adubação e tratos culturais.

Os frutos de aspargo devem ser colhidos bem maduros, quando apresentam coloração vermelho-escuro. As sementes, geralmente três a quatro por fruto, são facilmente retiradas, espremendo-se levemente em uma peneira. Em seguida, devem ser lavadas em água corrente e seca à sombra.

Elas são pretas e sua secção transversal é triangular. Em condições de ambiente fresco e ventilado, o poder germinativo de semente recém-colhida, viável, é conservado acima de 95% nos primeiros meses após a colheita. Um ano mais tarde, decresce para cerca de 85%. Nas sementes com dois anos de idade, a germinação atinge de 60 a 70% e, com três anos, o poder germinativo, geralmente, é menor do que 40%. O poder germinativo foi determinado em germinador à temperatura ambiente.

Para renovar a cultura, deve-se adquirir sementes de boa procedência e selecionar as plantas que irão produzir sementes para uso no futuro, desde o canteiro de semeadura. Para isso, deve-se marcar, no canteiro, as plantas com ramos mais altos, pois há estreita relação entre esse maior desenvolvimento e a boa formação, bem fechada, da ponta do turião. Quando a planta estiver com três a cinco anos, deve ser julgada pelo desenvolvimento da “coroa”, ou seja, a área em que se formam as hastes. A planta com maior coroa é a que produz turriões em maior número. Outra indicação da melhor planta é obtida pelo número e pelo tamanho das hastes. Escolhem-se aquelas que apresentam maior número e maiores hastes. Prefiram ainda, aquelas cuja haste seja lisa, com a secção transversal o mais próximo possível da circular.

Além desses fatores, cumpre ao lavrador não esquecer que, para produzir suas próprias sementes melhoradas, deve escolher plantas com aspecto saudável.

Semeadura

O terreno para a sementeira deve ser cavado até 0,30 m de profundidade. Construir depois canteiros com cerca de 0,10m de altura e 1,20m de largura. Espalhar sobre eles, por metro quadrado, 30 quilos de esterco curtido de curral ou composto, mais 1kg de adubo químico 10-10-10. Misturar esses adubos ao solo destorroado até ficar pulverizado.

A semeadura de aspargo é feita de setembro a novembro, a grande espaçamento, ou seja, em sulcos espaçados de 0,60 m, e no sentido da largura do canteiro. Nesses sulcos, são colocadas as sementes, separadas de 4 a 5cm, se possuem poder germinativo acima de 80%; e à profundidade de 3 a 4cm, conforme a terra mais ou menos consistente. Assim cada metro quadrado de canteiro comporta quase um grama de semente, que produzirá cerca de 20 mudas boas. Para um hectare, (10.000m2) com capacidade de 12.500 plantas, serão necessárias 625 gramas de sementes e, portanto, 625 m2 de canteiro.

É difícil desbastar o aspargo, bem como separar as mudas sem feri-las, quando as plantas estão muito próximas. Por isso é preciso conhecer previamente o poder germinativo das sementes, pois as plantas têm seu crescimento prejudicado quando ficam muito juntas no canteiro, além de dificultar o arrancamento e a separação das mudas.

As sementes devem proceder de empresas idôneas ou, então ser colhidas pelo próprio lavrador, como explicado no capítulo referente à colheita de sementes.

A germinação do aspargo é demorada, variando conforme a temperatura seja mais ou menos elevada. A 10ºC leva 53 dias para germinar, e a 25ºC, 10 dias. A germinação é boa entre as temperaturas de 15 a 30ºC; não germina de 5ºC abaixo, nem acima de 40ºC.

Logo após a semeadura, irrigar o canteiro e fazer uma pulverização com inseticida no solo. Cobrir, então, a terra, com capim seco e sem sementes, formando uma camada de três centímetros de altura. Quando não chover, regar de manhã e à tarde, até o início da germinação, espaçando-se, daí em diante, as regas que serão feitas à medida das necessidades. Ao começar a germinação, retirar todo o capim e fazer nova pulverização. Este inseticida, de utilidade para combater as pragas comuns nas sementeiras, é venenoso ao homem, devendo ser usado com precauções.

Cerca de 30 dias depois da germinação, faz-se o desbaste, deixando-se, de preferência, as plantas mais vigorosas, distanciadas uma das outras 7 a 8cm.

Rega-se e limpa-se capinado sem ferir as raízes, sempre que necessário.

Fazer irrigações a intervalos variáveis de acordo com o solo e as condições atmosféricas, lembrando que é preciso manter com bom grau de umidade a camada superficial do solo até a germinação e durante o período inicial do crescimento.

Nos Estados Unidos, recomendam o uso de herbicidas do pré-emergência, isto é, pulverizados sobre o mato alguns dias antes da germinação do aspargo.

Óleos leves ou “standart solvent”, entre outros, são usados como herbicidas.

O Varsol, da Standart Oil, solvente de uso caseiro, pode ser empregado em pulverizações sobre o mato até quatro a cinco dias antes do nascimento do aspargo e na quantidade de 40 a 80 cm3/m2.

A aproximação do inverno, quando as plantas começam a amarelar, cortam-se os talos à altura de cinco centímetros do solo, queimam-se esses restos e deixa-se, sem mais cuidados, que as plantas fiquem em repouso.

Plantio

O plantio de um adubo verde em outubro-novembro do ano precedente ao da plantação do aspargo, contribui para diminuir o mato e melhorar o solo em matéria orgânica e na sua constituição física e biológica. Entre as leguminosas-adubos verdes, recomendam-se Mucuna preta, Crotalária paulina, Crotalária juncea e feijão de porco, que serão enterrados quando florescerem, ainda tenros. Antes de marcar o terreno para a abertura das valetas de plantação efetuam-se duas a três arações espaçadas 15 a 20 dias, gradeando-se após cada aração.

Quando a irrigação é feita por infiltração, há necessidade de marcar as linhas de plantio, com leve declive, variando de 0,15 a 0,30%. O maior declive será usado em solos mais soltos, e o menor, naqueles mais firmes.

O espaçamento entre as valetas de plantação depende do tipo de turião que se vai colher, isto é, branco ou verde. Se for branco, o mais comum em nosso meio, a distância entre as valetas deve ser suficiente para que haja terra necessária para formar as leiras, sem ser preciso cavar fundo entre eles, o que ocasiona o corte e ferimento das raízes, Os melhores espaçamentos estão entre 1,90 e 2,10m.

Quando só turriões verdes são colhidos, a distância pode ser reduzida para a metade, pois não se faz leiras, observando que não existem dados que indiquem o melhor espaçamento entre valetas.

O espaçamento entre as plantas na valeta deve ser de 0,40 m; a profundidade da valeta de plantação, de 0,30 a 0,40 m; e a largura de 0,40 m; maior profundidade, em terra mais solta. Nunca plantar no subsolo.

Para a abertura da valeta, um sulco prévio feito com sulcador facilitará bastante essa operação. Ao completar manualmente a abertura da valeta, colocar terra do solo de um lado da valeta e a do subsolo do outro. Utilizar a terra do solo para misturá-la aos adubos e para a cobertura das mudas após a plantação.

Como o aspargo é planta pouco tolerante à acidez do solo e os nossos solos são geralmente ácidos, deve ser feita sua análise química, determinando-se o pH, a fim de se calcular a quantidade necessária de calcário a ser incorporado ao solo.

Clima e Solo

Para que haja boa produção, o solo deve ser fértil, profundo, com boa capacidade de retenção de umidade, sílco-argiloso e friável para que os turriões não se entortem ao atravessá-lo. Os terrenos sujeitos a encharcamento são inteiramente contra-indicados para essa cultura. As colheitas mais precoces são obtidas nos solos que se aquecem depressa pela ação dos raios solares.

O aspargo é planta ligeiramente tolerante à acidez do solo e são desejáveis, para seu melhor crescimento e produção, aqueles cujo pH varia de 6.0 a 6.8.

Nativo de regiões temperadas, só se adapta nas zonas onde prevalecem temperaturas baixas durante um período do ano, quando a planta entra em dormência. Após esse repouso, faz-se a colheita dos turriões.

Durante a vegetação imediatamente posterior à colheita dos turriões, a planta armazena, na raiz, reservas alimentares que influirão na produtividade dos anos seguintes. Sem tais períodos, a planta não se desenvolve devidamente, e os turriões se tornam menos vigorosos e mais finos, cada ano. São recomendáveis regiões com temperaturas médias de 15,5 a 24ºC, durante a época de vegetação, e um período frio para dormência no inverno.

Essa planta não deve ser cultivada onde as condições de clima sejam propícias à vegetação o ano todo, porque as reservas alimentares não se acumulam e são gastas na produção de novas hastes.

Tratos culturais

Adubação

Como o aspargo é planta pouco tolerante à acidez do solo e os nossos solos são geralmente ácidos, deve ser feita sua análise química, determinando-se o pH, a fim de se calcular a quantidade necessária de calcário a ser incorporado ao solo.

A distribuição do calcário deve ser feita a lanço e pelo menos três meses antes da abertura das valetas.

Para se formular a adubação da valeta há necessidade de preencher um questionário fornecendo o histórico do solo e o resultado da análise de amostra de terra bem coletada.

De modo geral, para terras de media fertilidade, fazer a seguinte adubação por metro linear: 40kg de esterco curtido de curral e 200gramas de adubo químico 10-10-10. Colocar no fundo da valeta uma camada de cerca de 1Ocm de solo que recebeu calagem, apos mistura-se os adubos acima indicados de 10 a 15 dias antes do plantio das mudas ou garras.

O esterco curtido de curral poderá ser substituído por curtido de boa qualidade, em idêntica quantidade, pela torta de mamona previamente fermentada ou então aplicada com um mês de antecedência de plantação, a fim de ter tempo de se decompor, e em quantidade equivalente a um décimo do peso recomendado para o esterco. Poderá, ainda, ser substituído pelo esterco de galinha fermentado, dose correspondente a um terço ou, mesmo, um quarto, para o esterco de curral dependendo da sua pureza.

Anualmente, após a colheita, incorporar ao solo, por m2, 5kg de esterco curtido de curral ou composto “curtido”.

Para melhorar o solo, semear, anualmente em meados de abril fileiras de ervilhaca entre as valetas com aspargo; espaçadas de entre fileiras, e a 0,20m entre plantas na fileira. Cortá-la e enterra-la superficialmente, três meses após a semeadura, quando está em florescimento.

A ervilhaca - Lathyrus sativus, L. é leguminosa adubo verde de inverno, que não prejudica o aspargo porque vegeta quando ele está entrando em dormência. Para multiplicar a ervilhaca, semeá-la em outro local, no espaçamento de 0,60 x 0,40m, deixando duas plantas por cova. Em terra de boa qualidade, pode ser esperada a produção media de 130 gramas de sementes/m2. Cada 100 gramas de ervilhaca contém, em média, 650 sementes.

Cuidado com as mudas

As mudas ou “garras” de um ano são as melhores para a plantação. Se arrancamento é feito cuidadosamente, para não ferir em demasia as raízes, por meio de enxadões; pode-se passar um sulcador no meio das fileiras, para facilitar o arrancamento.

A distribuição do calcário deve ser feita a lanço e pelo menos três meses antes da abertura das valetas.

Nos ferimentos das raízes, poderão penetrar microorganismos que lhes ocasionam a podridão, trazendo, como conseqüência, menor vigor para a planta.

Depois de arrancadas, as “garras” devem ser examinadas, descartando-se aquelas com peso inferior a 50 gramas e com muitas raízes feridas.

No canteiro de semeadura, aparecerão mudas com mais de quatro botões no rizoma, de onde saem as hastes com folhas, e outras fracas, com apenas um botão. Aquelas muito fortes podem ser divididas em duas ou mais mudas, cada qual com, pelo menos, um botão; considerando-se, porém, a dificuldade de divisão da planta e a maior produtividade das mudas fortes, não é conveniente essa divisão. O lavrador deve semear uma área maior para que haja mudas em quantidade superior à necessária, e ele possa, com isso, escolher as melhores na época de plantação.

As mudas ou garras de um ano devem ser plantadas em tempo fresco, no fim do inverno ou no início da primavera, depois de chuvas ou de regas.

O plantio muito antecipado do período de vegetação, o excesso de umidade ou, ao contrário, a falta de umidade e o fator calor após o plantio, são os principais fatores da morte das mudas.

Depois de arrancadas do viveiro, as mudas ou garras devem ser plantadas o quanto antes. Se não for possível plantar logo após o arrancamento, guardá-las em depósitos bem ventilados.

Como o plantio do aspargo é manual, antes da plantação as garras devem ser empilhadas em vários pontos previamente escolhidos, a fim de diminuir o caminho percorrido pela pessoa que executa esse serviço.

Cada plantador pode transportar, em um saco, cerca de 100 mudas as quais são colocadas na valeta, à distância aproximada de 0,40m uma da outra, facilitando o plantio.

A plantação das mudas é realizada sobre “montinhos de terra adubada” erguidos no fundo da valeta, evitando-se que as pontas das raízes se dirijam para cima. Logo após o plantio, cobrir as mudas com uns 6 centímetros da terra amontoada nos lados da valeta. Em seguida, irrigar bem para firmar a terra ao redor das raízes e fazer outras irrigações quando necessário, a fim de favorecer o bom desenvolvimento das raízes e a vegetação da planta.

Após o primeiro ano no local definitivo, encher a valeta com terra até o nível do solo, depois que as plantas estejam com bom desenvolvimento; manter o terreno limpo de ervas más, e irrigar quando houver necessidade.

À entrada do inverno, quando as plantas estiverem amareladas ou secas, cortá-las a cinco centímetros do solo, amontoá-las em outro local e queimá-las.

No segundo ano, continuar os tratos culturais anteriores.

Toda reserva de nutrientes utilizados na produção de turriões é armazenada nas raízes carnosas da planta durante o verão e o outono. Tomar cuidado, portanto, para não cortar nem ferir qualquer raiz de aspargo, pois se isso acontecer, a produção de turriões é reduzida.

Com o calor do início da primavera, as plantas começam a brotação, constroem-se, então, leiras sobre as plantas, utilizando-se terra do espaço entre as valetas. As leiras devem ter cerca de 0,25 m de altura sobre a “coroa”, ou seja, o ponto onde nascem os turriões, a fim de permitir-lhes o corte, sem ferir a “coroa” nem as raízes. Ela precisa ser corrigida cada duas a três semanas porque se desmancha com o corte diário dos turriões, com a rega e com a ação do vento. Em São Paulo, a época de construção de leiras é o princípio de setembro, ocasião de fraca queda pluviométrica, havendo por isso, necessidade de irrigações, antes da construção da leira e durante a colheita dos turriões.

Nesse primeiro ano de colheita, sua duração deve ser de 20 a 30 dias, conforme o vigor da planta no ano anterior.

Depois da colheita, desmancham-se as leiras com cuidado para não ferir as raízes. Adubações complementares devem ser feitas de acordo com o estabelecido no capítulo sobre adubação. As plantas crescem e formam novas reservas alimentares, repetindo-se as demais operações no ano seguinte.

Colheita e Embalagem

A colheita do aspargo consiste no corte dos turriões, que são brancos quando crescem através da espessa camada de terra da leira e, quando não existem as leiras sua cor é verde.

O aspargo branco é mais apreciado no Brasil.

Os turriões podem ser colhidos a mão, mas é mais freqüente e recomendável o uso de uma ferramenta chamada de colhedor deaspargo, que torna a operação mais rápida e sem perigo de ferimentos na planta.

O colhedor de aspargo nada mais é do que uma lâmina de aço com um cabo de madeira. A lâmina mede cerca de trinta centímetros de comprimento e três centímetros de largura, e tem espessura suficiente para dar-lhe firmeza. Sua ponta é um bisel, afiado sempre que necessário, para cortar os brotos abaixo da superfície do solo.

Quando se colhe a mão, recomenda-se descalçar cuidadosamente os brotos, segurar os de bom tamanho e destacá-los com um movimento de torção. Em seguida, colocar de novo a terra retirada.

Nas zonas frescas do Estado de São Paulo, geralmente no mês de setembro, há calor suficiente para a brotação.

A temperatura é que regula o intervalo entre as colheitas. Convém colher sempre pela manhã, diariamente, mas se a temperatura diminuir, somente cada 2 ou 3 dias formam-se brotos para colheita. Se o contrário acontece, isto é, aumentam a temperatura, podem ser feitas duas colheitas por dia, uma de manhã e outra à tarde.

É essencial que os turriões sejam colhidos no ponto, isto é, antes que se abra a ponta para formar as folhas. Além disso, devem ser eretos e lisos. Os brotos muito finos e os tortos devem ser eliminados no campo.

Os colhedores devem colocar os turriões em recipiente semelhantes a cestas, com alças, para transportar, e com tampas, para evitar o sol. Quando essas cestas se enchem, transferir os turriões para outras maiores também com alça e tampa, de capacidade de perto de 25 a 30kg. Esses recipientes maiores são colocados nas extremidades das fileiras de plantas onde deve existir caminho para entrada de veículos que os transportem ao local de embalagem.

Não é recomendável a colheita de turriões no ano da plantação das mudas de aspargo.

No segundo ano, colher durante 20 a 30 dias; no terceiro ano, de 40 a 50 dias; nos demais anos, enquanto o aspargo for vigoroso, colher durante 50 a 70 dias. A duração da colheita dependerá da grossura dos turriões. Se se tornam muito finos, é sinal que as reservas da planta se esgotaram e há necessidade de um período de vegetação com nova adubação.

O número de anos de colheita depende de muitos fatores, tais como: variedade, solo, clima, adubação, tratos culturais. Uma plantação em boas condições agronômicas poderá dar, em média 10 colheitas durante 11 anos, pois não se colhe no ano da plantação.

Embalagem

No local de embalagem, os turriões são lavados e, depois, aparados para ficar com o mesmo cumprimento, cerca de 20 a 25cm a contar da ponta. Existem em outros países diversos tipos de aparelhos que facilitam essa operação, bem como o preparo de maços de turriões.

Entre nós e para o mercado local costuma-se separar os turriões em dois ou três tipos, de acordo com a sua grossura, e depois amarrá-los nas duas extremidades em forma de maços. Estes poderão ter peso certo, por exemplo: 500, 1.000 ou 1.500 gramas. Usa-se, para amarrar, barbante, fita, ráfia, elásticos de borracha, tiras de folhas de palmeiras, etc. Se os turriões murcharem um pouco e o amarrilho ficar frouxo, é só mergulhar a base cortada em uma vasilha com água para voltar ao normal.

Para despachos, nos Estados Unidos, os maços são embrulhados em papel impermeável, tendo a base apoiada em material absorvente; são molhados ligeiramente e, em seguida, encaixotados. Também podem ser encaixotados a granel, sendo a caixa formada com papel impermeável e a base dos brotos apoiados em estopa úmida.

Nas plantações pequena e média da Califórnia-EUA, o turrião é levado aos ranchos localizados nas plantações, depois aparados para ficar com o mesmo comprimento, encaixotando e enviando o mais breve possível para as fábricas. Nas grandes plantações dos Estados Unidos, os turriões são encaixotados após a colheita e levados por caminhões para prédios com instalações próprias, onde são aparados por máquinas, a um comprimento de cerca de 17cm, e lavados com água borrifada sob pressão. São de novo encaixotados e enviados às fábricas para classificação e enlatamento.

Importantes transformações ocorrem no aspargo fresco durante o período que vai da colheita até o seu preparo culinário.

Na temperatura ambiente perde umidade e açúcares rapidamente. Essas transformações são tanto mais lentas quanto mais próximo de OºC, e, mesmo armazenado nessa temperatura ideal, perde suas qualidades, por isso, deve ser remetido ao consumidor ou à fábrica para enlatamento o mais breve possível.

Quando não se dispõe de refrigeração para os turriões, deve-se evitar o sol, lavá-los em água fresca, embalá-los convenientemente e remetê-los ao mercado quanto antes.

Pragas e Moléstias

Pode ser atacado por larvas da mosca-do-aspargo, da mariposa Hypopta caestrum e pelo verme-de-maio. As doenças são causadas por fungos do gênero Rhizoctonia e Fusarium.

Fonte: www.criareplantar.com.br

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Almeirão de Folha Fina - Chicoria - Cichorium intybus

Cichorium intybus

  • Nome Científico: Cichorium intybus
  • Nomes Populares: Almeirão, Almeirão de folha fina, Almeirão-de-raiz, Almeirão-selvagem, Almeirão-silvestre, Chicória, Chicória-amarga, Chicoria-brava, Chicória-do-café, Radice-selvagem, Radiche
  • Família: Asteraceae
  • Clima: Continental, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical
  • Origem: África, Ásia, Europa
  • Altura: 0.9 a 1.2 metros
  • Luminosidade: Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene

O almeirão é uma planta herbácea de seiva leitosa, cultivada como hortaliça e que também é comumente chamada de chicória.

Deve ser cultivado sob sol pleno, em solo fértil, bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Tolera o frio e o calor. O solo deve estar bem preparado na ocasião do plantio. Os canteiros devem ser calados, adubados e elevados cerca de 15 cm nas variedades “de folha” e 22 cm nas variedades “de raiz”.

Não necessita a preparação de mudas em bandejas. Multiplica-se por sementes diretamente no local definitivo. O desbaste deve ser realizado quando as plantas atingirem 10 cm, deixando uma planta a cada 15 cm. A colheita inicia-se em 80 dias no verão e 100 dias no inverno. Apesar de perene é cultivada como anual.

Apresenta folhas alongadas, largas ou estreitas, mais ou menos pubescentes, de coloração verde ou arroxeada de acordo com a variedade. Sua raiz é tuberosa, pivotante e armazena grandes quantidades do carboidrato inulina, de importantes aplicações na indústria farmacêutica e de alimentos dietéticos. As inflorescências em capítulo, azuis ou arroxeadas, surgem de uma longa haste ramificada, com folhas reduzidas.

Com as folhas do almeirão podem ser preparadas ricas saladas cruas, e saborosos refogados, acompanhando legumes, cereais ou carnes. Seu sabor é amargo e seu valor nutricional é superior à alface, sendo mais rico em vitaminas, minerais e fibras. As raízes prestam-se para a extração industrial de inulina; e para a produção de um substituto do café, após sofrerem secagem, torrefação e moagem. As flores do almeirão também são comestíveis e podem adornar saladas com efeito surpreendente. É plantado para fins ornamentais, principalmente na Europa, devido às belas flores, que acrescentam um efeito campestre em maciços ou em conjuntos com outras flores.

fonte: jardineiro.net

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Jacinto-Uva - Muscari armeniacum

    

       Nome Científico: Muscari armeniacum

  • Sinonímia: Muscari colchicum
  • Nome Popular: Jacinto-uva
  • Família: Hyacinthaceae
  • Divisão: Angiospermae
  • Origem: Europa e Ásia
  • Ciclo de Vida: Perene

O jacinto-uva é uma planta herbácea e bulbosa, originária da região do mediterrâneo. Suas folhas são basais, longas, lineares ou achatadas, carnosas e suculentas. As inflorescências são cônicas, eretas, formadas por numerosas flores esféricas, de coloração azul arroxeada, com perfume parecido com almíscar. É fácil entender porque o jacinto-uva tem este nome popular, já que suas belas inflorescências guardam incrível semelhança com cachos de uvas. A floração ocorre na primavera.

O jacinto-uva tem porte baixo, cerca de 15 a 25 cm de altura. Ele é bastante rústico e fácil de cultivar, sendo indicado para jardineiros iniciantes. No paisagismo, presta-se para a formação de maciços e bordaduras, e são muito apreciados sob a sombra difusa de árvores e arbustos. É bastante apropriado para jardins rochosos ou em vasos.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado periodicamente no período vegetativo. Assim como muitas outras plantas bulbosas, o jacinto-uva necessita de um período de frio para que possa florescer na primavera. No verão, após o amarelecimento completo das folhas, os bulbos podem ser removidos do solo, limpos e guardados em local seco, fresco e arejado. Aprecia clima mediterrâneo, temperado, subtropical e tropical de altitude. Para florações intensas, indica-se o replantio e adubações bienais. Multiplica-se facilmente por separação dos bulbos que se formam ao redor da planta mãe e por sementes.

Autor: Raquel Patro

terça-feira, 19 de junho de 2012

Tower of Jewels – Echium wildpretii

 Echium Wildpretii (Tower of Jewels)

 

Semeie as sementes de Echium wildpretii a 6mm de profundidade em potes plásticos de 10 cm, usando terra fina ou substrato muito bem drenado. Mantenha os potes em um lugar fresco com sol direto, de modo que durante o dia os calores da terra alcancem até aproximadamente 20°C a 25° C. De temperatura de noite deve cair a aproximadamente 5°C a 10° C. A germinação pode ser impedida se os potes são mantidos constantemente quente. O uso de GA3 (acido giberélico) pode permitir a germinação sem as condições ideais.

Sempre mantenha a terra só levemente úmida para prevenir infecções fúngicas nas novas plantas. Geralmente as sementes germinarão rapidamente dentro de 2-4 semanas. Mas certas sementes podem necessitar que vários meses para germinar, assim não jogue fora os potes com sementes onde nada germinou, mas mantenha-os sempre levemente úmidos e num lugar frio no sol.

Transplante as novas plantas a potes maiores 20cm (ou 5L) logo que o primeiro par de folhas reais apareça. Transplante os Echiums a potes maiores ou ao lugar definitivo quando as rosetas alcancem uns 30cm em diâmetro.

Molhe as plantas regularmente de debaixo e nunca deixe a terra secar completamente. Fertilize com Fertilizante Milagre.

Não tolera geadas por longos períodos mas se considera resistente ate -5 graus. O solo deve ser sempre bem drenado, e idealmente composto de 10% humus 30% areia e 60% vermiculita.

Resiste a seca e a Sales no ar (pode ser cultivada perto do mar)

Demora 3 anos em florir desde sementes, mas vale a pena esperar, o espetáculo de sua floração e simplesmente grandioso!

domingo, 17 de junho de 2012

Salvia Sagrada – Salvia Branca – Salvia apiana

Nas montanhas semi-áridas da Califórnia cresce um tipo especial de Salvia, que é altamente reverenciada pelos índios norte-americanos. Para finalidades espirituais e medicinais, a Salvia Branca é uma poderosa erva. A palavra salvia vem do latim, ”salvea” que significa salvação. A Salvia Branca não gosta de lugares frescos que tenham sombras, ela frefere crescer em locais onde o sol e o calor sejam intenso, aproximadamente 50 graus.

Enquando outras plantas morrem neste calor extremo, a Salvia branca absorve a energia do sol para criar os óleos essenciais  que mantêm suas folhas flexíveis e vivas por causa da quantidade abundante de óleos essenciais produzido.

A Salvia Branca é ótima para se queimar como incenso. Os índios norte-americanos dizem que a fumaça da Salvia Branca não é só para purificar o corpo, mas lugares e objetos pessoais. Por esta razão ela é sagrada para muitas tribos. Algumas tribos colocam pedaços sa Salvia Branca na fogueira na convicção que a planta purifique o próprio fogo. Em algumas cerimônias do Índios Dakota, um galho de Salvia Branca é colocado atrás da orelha para que os espíritos possam reconhece-los.

” Em cada planta habita um espírito (elemental) em que o Grande Criador deposita  uma parcela de sua infinita sabedoria. E a Salvia Sagrada foi presenteada com o poder da purificação e a força da luz.” (1)

”Certas plantas e ervas possuem um lugar, um propósito e funções específicos na Terra: curar. Para atingir eficácia nas curas nós seres humanos, devemos começar a admitir o fato de que a totalidade da planta deve ser empregada no tratamento, tanto suas propriedades físicas quanto espirituais…..A parte física da planta opera no corpo físico e ao  passo que a essência espiritual da planta trabalha com o espírito……”  (Médico Urso Pardo do Lago - O Curandeiro Nativo Norte Americano, 1991, p.170 )

Sugestões de Uso:

Limpeza Pessoal

”A Salvia Branca queimada pode ser usada para promover uma renovação de nossas energias. Este processo é de grande ajuda principalmente em épocas de grande mudanças em nossas vidas, em que podemos acabar  intoxicados pelas energias estagnadas oriundas de padrões de pensamentos e sentimentos já ultrapassados. A Salvia tem o poder de remover estas forças , purificar nossos campos energéticos trazendo a clareza e a força para continuarmos firmes em nossa caminhada.”  (1)

Peça a alguém para passar a fumaça da Salvia em seu corpo, na parte da frente  e   de trás. Não se esqueça do alto da cabeça e de seus pés. Se você não tiver alguém, para se defumar passe a Sálvia ao seu redor o tanto que você puder fazer. Respire profundamente com calma e respeito a você e ao Espirito da Salvia Branca e a observe a mudança de energia em você. Sinta a diferença energética.
Antes de dormir, queime algumas folhas de Salvia Branca para afastar as energias negativas do stress físico e emocional do dia a dia. Para um sono tranquilo e calmo, queime apenas uma folha da Salvia Branca e lembre-se de queimar com cuidado, em um recipiente seguro. Lembre-se que queremos a fumaça, não o fogo.

Limpezas de espaços (ambientes de trabalho, salas de reuniões e etc)

Queimar Salvia é muito bom e maravilhoso para dar boas vindas a amigos, a grupos e pessoas queridas.

Comece a fazer a limpeza na parte de trás da sala, caminhe ao longo de cada parede e defume o mais alto que você possa alcançar e então cruze o centro da sala e deixe a fumaça subir em seu próprio ritmo. Enquanto você caminha, peça ao seu anjo da guarda, ao seu mestre, enfim, ao Grande Espírito que as energias positivas possam entrar em seu espaço sagrado e que o grupo seja abençoado com esta experiência. Dê as boas vindas, então, a cada pessoa que entrar nesse espaço, como descrito acima na limpeza energética pessoal.

OBS: Tome cuidado com as fuligens da Salvia: elas podem queimar carpetes, cortinas etc…

Para limpeza de sua casa

Para limpar e abençoar sua casa ou apartamento, use uma poção generosa de Sálvia Branca para defumar. Abra a porta da frente . Vá para a parte de trás da casa e comece a limpar os quartos. Não se esqueça dos cantos das paredes. Entre e defume cada quarto, banheiros, armários, área de serviço, cozinha… enfim, todas as partes da casa. Quando você chegar na porta da frente, diga estas palavras: “Esta casa está abençoada com pensamentos elevados, para felicidade e prosperidade de todos que aqui vivem. Que todos que aqui vierem possam ser abençoados de alguma maneira e possam receber amor e carinho.” Então, coloque a Salvia na parte da frente da entrada da casa, deixe-a queimando por alguns instantes, limpando e abençoando sua casa.

Cachimbo Sagrado (Chanupa)

”Pode ser picada e misturada ao fumo de sua preferência. A Salvia ao ser ultilizada em cerimônias com o Cachimbo Sagrado  para cura ou mesmo conexão com a espiritualidade, tem os efeitos do fumo potencializados pois a Salvia promove uma grande abertura de consciência.” ( 1)

OBS: Cabe ressaltar que o uso do Tabaco de ve ser utilizado da forma correta, sem tragar, e dentro de um ritual sério e respeitoso, assim será capaz de levar ao contato com o Grande Espírito,  funcionando exatamente como uma oração.

Eugenio Carlos

(1) Wagner Gasparine

FONTE:  http://floraisdaamazonia.wordpress.com/2010/05/08/salvia-branca-apiana-limpeza-e-defumacao/

Germinação e Cultivo

A germinação de esta espécie de salvia não e simples, já é originaria de um ecosistema de extrema aridez e contrastes climáticos (muito frio e muito calor).

Disponha as sementes sobre o solo ou substrato, cubra com uma ligeira camada e mantenha úmido e a temperatura entre 20 e 28˚C.

Germina entre 2 e 3 semanas, e a taxa de germinação esperada mesmo em condições ótimas pode ser de 10 a 50%.

O USO DE GA3 (ACIDO GIBERELLICO) PODE FAVORECER A GERMINACAO DESTA ESPECIE.

Cultivar em sol pleno e molhar pouco. Deixe o solo secar antes da próxima irrigação. Se na sua área chove “muito” (e em quase todo o Brasil e assim) coloque as plantas num lugar onde peguem todo o sol, mas não todas as chuvas!

O solo o substrato tem que ter muito boa drenagem é suficiente. Se seu substrato não tiver muita aeração, necessita incluir areia, perlita, vermiculita ou turfa.

Se plantada em vasos, deixe furos grande no fundo do mesmo, e coloque cascalho para facilitar o escoamento da água.

Plantar a 30 cm de distância.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Baunilha

BAUNILHA

Planta trepadeira, originária das regiões tropicais do continente americano. Da família das orquídeas, é também usada como planta ornamental, de flores verde-amareladas, e cujo fruto é uma vagem alongada.

A baunilha é considerada uma especiaria por interferir de forma benéfica no sabor final da comida, além de permitir a conservação dos alimentos. A baunilha, especiaria empregada mundialmente como aromatizante. É usada largamente na aromatização de sorvetes, chocolates, bebidas e produtos de confeitaria, além de ser também utilizada em perfumaria e, em pequena escala, como medicinal. Do interior da fava saem minúsculos grãos que exalam um cheiro perfumado, doce e delicado da baunilha autêntica. A substância química que dá o aroma da baunilha é a vanilina, que está presente nas essências em tomo de 1,5%.

CLIMA E SOLO

É planta de clima tropical, vegetando bem em regiões que apresentam temperatura média superior a 21ºC a precipitação anual de 1.500-2.500mm. Um período seco de aproximadamente dois meses é fundamental para induzir um bom florescimento. A baunilheira não deve ser plantada a pleno sol, pois não tolera fortes insolações e ventos diretos.O solo deve ser fértil, rico em matéria orgânica.

CULTIVARES:

A cultivar mais plantada comercialmente é a Vanilla planifolia. Duas outras espécies, Vanilla. pompona e Vanilla tahitiensis, são pouco cultivadas e fornecem um produto de qualidade inferior.

PROPAGAÇÃO E PLANTIO

Ë feito por meio de estacas, cujo comprimento tem influência direta ao tempo necessário à iniciação do florescimento e frutificação. As estacas podem ser plantadas diretamente no campo e devem ter, no mínimo, 40cm de comprimento. Remover de 2 a 3 folhas na extremidade a ser plantada na cova de plantio, deixando para fora pelo menos 2 nós. Amarrar a porção das hastes acima do solo a suportes, até as raízes aéreas terem bom agarramento ao suporte ou tutor. As estacas podem ser armazenadas ou transportadas por até duas semanas. Para o plantio de 1.0 hectare serão necessárias de 1.000 a 1200 mourões. Plantar entre as árvores de sombra 6 x 4m plantando de 2 estacas por arvore-suporte ou estacão.

No Baixo Sul da Bahia o plantio é feito no período chuvoso, utilizando o espaçamento 3m x 1m em covas adubadas com matéria orgânica, com as dimensões de 30 cm em todas as direções, em seguida recomenda-se efetuar a amontoa. A adubação de manutenção é feita anualmente, com a aplicação de matéria orgânica em cobertura.

TRATOS CULTURAIS

As raízes da baunilheira são superficiais, por isso não se recomenda fazer capinas após o plantio. A prática da poda é bastante utilizada, corta-se a extremidade da planta à cerca de 10cm de comprimento entre janeiro a março para estimular a produção de inflorescências nas axilas das folhas dos ramos pendentes. Após a colheita, podar também podar as hastes velhas e fracas.

Trata-se de uma planta que necessita de sombreamento em torno de 50 a 70% de luminosidade. Recomenda-se o consórcio com frutífera perenes de valor econômico.

É necessário conduzir a planta a uma altura conveniente para facilitar polinizações e colheitas. Enrolar as hastes em torno dos galhos baixos das árvores que servem de suportes ou sobre tutores inertes de forma a ficarem pendentes.

Nos plantios comerciais, recomenda-se a polinização artificial a fim de aumentar a produção. Na Bahia a floração ocorre entre os meses de setembro a outubro. Geralmente, em plantas vigorosas, são polinizadas de 8 a 10 flores em cada inflorescência e 10 a 20 inflorescências em cada planta. O rendimento médio dessa prática varia de 800 a 900 polinizações diárias.

COLHEITA

A Colheita no Sul da Bahia ocorre de abril a julho, quando as cápsulas estão maduras com coloração mais claras, sem brilho. Isto ocorre cerca de 8 a 9 meses após a polinização. A planta inicia o florescimento no 3º ano após o plantio, dependendo do tamanho da estaca usada, e a máxima produção de flores é alcançada com 7anos após o plantio. A produtividade média dos plantios do Sul da Bahia é varia de 300 a 400kg de frutos beneficiados por hectare, quando a planta atinge 7anos de idade.

BENEFICIAMENTO

A maturação das favas ocorre entre 9 a 10 meses após a polinização, sendo os frutos colhidos quando mudam da cor verde verde-claro para verde-escuro. Os frutos passam por um processo de “cura” para que as favas possam desenvolver placas de cristais, onde se encontra a vanila. Para tanto as favas são desidratadas lentamente, sendo inicialmente imersas rapidamente em água aquecida com temperatura em torno de 70 C levando-as em seguida para secagem, por 4 a 6 dias ao sol, terminando à sombra em tabuleiros. A secagem em estufa dura em média 14 dias, enquanto a secagem ao sol é de 50 dias.

COMERCIALIZAÇÃO

O principal mercado comprador da produção de baunilha do Sul da Bahia é o estado de São Paulo, sendo comercializado a um preço médio de US$ 250,00 por quilo.

Gilberto de Andrade Fraife Filho - Engenheiro Agrônomo MSc Fitotecnia
José Basílio Vieira Leite - Engenheiro Agrônomo MSc Fitotecnia
José Vanderlei Ramos – Engenheiro Agrônomo MSc Fitotecnia

terça-feira, 1 de maio de 2012

Cabaça Gigante Africana – African Bushel Gourd - Lagenaria sp


Cabaça Gigante Africana - A Maior Cabaça Do Mundo - Sementes


Para a germinação das cabaças gigantes africanas é importante seguir as instruções de este Manual.
Estas sementes necessitam de sua ajuda para germinar. Se recomendar cortar COM MUITO CUIDADO a casca externa das sementes para facilitar a entrada de umidade.
Deixe suas sementes em água morna (ou melhor, em GA3 preparado com fertilizante Milagre) durante a noite antes de plantá-las. Plantar a 3 cm de profundidade
Feito isto, uma vez que germinam, se prepare... o crescimento e violento. São trepadeiras mas pelo tamanho e peso dos frutos, o melhor fé as deixar crescer em forma rasteira, no solo plano, para que as cabaças tenham uma base plana ao se formar e crescer.
No sul, plantas as sementes de cabaça depois do perigo da última geada, no resto do pais todo o ano.
As sementes plantadas devem ser mantidas úmidas até que as plantas emergem do chão e deve ser regadas regularmente depois. Assegure-se que você dá água em abundância a suas cabaças, já que elas amam a água.
Quando suas plantas comecem a crescer, e criar galhos laterais, corte a ponto do galho principal quando alcance 2.5 a 3 m, para estimular mais o crescimento lateral.
IMPORTANTE: SE SEU INTERESSE E TER CABACAS REALMENTE GIGANTES, DEIXE SOMENTE 1 POR PLANTA, DE MANEIRA TAL QUE TODA A ENERGIA DA PLANTA SE CONCENTRE NUM FRUTO SO.
Não se esqueça de estas plantas são grandes e você precisará de muito espaço para elas se espalhar.
Além de água abundante, as cabaças amam a terra bem-fertilizada. Recomenda-se o uso semanal do fertilizante Milagre ou um fertilizante 10-10-10 para os primeiros dois meses até que as plantas desenvolvam um sistema de raízes saudável e profundo. Então deve trocar-se por uma fertilização livre de nitrogênio, para promover o crescimento das cabaças e não de mais folhas. Se usar nosso fertilizante Milagre, não precisa mudar nada, continuar usando semanalmente.
Pare de regar e fertilizar seus cabaças quando elas estejam grandes ou no começo do outono no sul de modo que elas possam começar a secar. Permita ao menos três a seis e mesmo nove meses para que seus cabaças cresçam até a maturidade e outro quatro, cinco ou seis meses para secar.
Colher as cabaças cedo demais os fará enrugar e apodrecer. Colha-os quando o cipó e as frutas virarem marrom e quando você pode ouvir o som das sementes dentro da cabaça. Quando suas cabaços estejam secas, elas estão prontas para ser limpadas. Armazene as cabaças não utilizadas sob abrigo do sol e da chuva, em pallets, para uma circulação boa de ar.

domingo, 22 de abril de 2012

Lily of the Valley – Lirio do Vale - Convallaria majalis




Como todos os bulbos (ou plantas) de clima temperado (frio) resulta um desafio seu cultivo em climas subtropicais e tropicais. E como todo desafio, pode resultar interessante e enriquecedor ou frustrante. Existem inúmeras espécies de clima frio que se adaptaram perfeitamente ao tropico sem nenhuma complicação (um exemplo no caso de plantas de bulbos é a Tiger Lily, or Belancanda chinesis, que é de clima bem frio, e cresce em nosso jardim a pleno sol sem nenhum cuidado, e floresce e frutifica abundantemente) ou a Papoula Tropical produzida recentemente em Brasília, mas muitas outras ainda tem que ser experimentadas.

IMPORTANTE: A Plantamundo sempre informa em forma honesta e direta quando as plantas são de clima temperado, não como outros vendedores que se fazem de bobos e não dizem nada, ou pior mentem e dizem que plantas do ártico são tropicais!
Planta perene.

Plante os rizomas assim que os receba!

Plantar em substrato ou terra orgânica leve de maneira tal que a parte superior dos bulbos esteja apenas cuberta, e molhe muito bem. O lugar de plantio te que ser bem drenado (muito bem drenado, ou os bulbos poderão ser atacados por fungos e até morrer antes de brotar!).

Manter o plantio úmido, mas não alagado.

CULTIVAR NA MEIA SOMBRA, ou seja onde receba apenas luz indireta, mas logicamente não no escuro, e nunca em um lugar onde receba sol direto nas horas mais quentes.


IMPORTANTE: TODAS AS PARTES DA LILY OF THE VALLEY SAO TOXICAS.

PLANTAS RECOMENDADAS DE NOSSO CATALOGO PARA QUEM GOSTA DA LILY OF DE VALLEY:
LILY OF THE VALLEY VINE (NATIVA)
PALMA DO NORTE:
http://plantamundo.com/produto_completo.asp?IDProduto=416

segunda-feira, 16 de abril de 2012

GRAMA AZUL - Festuca glauca

 

 

GRAMA AZUL - Nome científico: Festuca glauca

Planta Herbácea perene de folhagem realmente azulada. Prefere o clima ameno do sul do país, ou áreas serranas, a pleno sol. No resto do Brasil seu cultivo pode ser tentado em lugares evitando o sol nas horas mas fortes do médio dia e inicio da tarde.

Não e uma planta exigente em matéria de solos ou irrigação, mas sem duvidas se desenvolve melhor em solos bem drenados. Resiste a seca, o calor, o frio.

Germinação: Se recomenda o uso prévio de GA3. Manter o substrato apenas úmido (não molhado) com temperaturas de aproximadamente 20°C. Não enterrar as sementes, apenas pressionar elas no substrato ou terra fina para evitar que voem ou sejam carregadas pela água.

Germina em 2 a 3 semanas. Transplante 4 a 8 semanas.

Regar, 2 vezes por semana.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Violeta Pendente - Achimenes


image
As VIOLETAS PENDENTES ou PLANTAS MAGICAS (Achimenes) são nativas de México e de America Central, e não de America do Sul como alguns sites informam erroneamente. Somente uma das 25 espécies de Achimenes é nativa das Ilhas do Caribe.
Como a maioria das plantas da família Gesneriácea, são plantas de folhas decorativas e flores tubulares, que abrem durante todo o verão, em inúmeras variedades de cores sólidos ou misturados (híbridos). Cada flor dura apenas um par de, mas é logo substituída por outra, numa sucessão que se estende por toda a primavera e verão.
Ideal para plantar em cestas suspensas e floreiras assim como em varandas, as Plantas Mágicas apreciam o sol da manhã ou da tardinha, mas não toleram o sol forte do meio-dia. Deve ser então, cultivada a meia-sombra, em substrato fértil e bem drenado, enriquecido com matéria orgânica. Recomendamos o uso semanal do Fertilizante Milagre na época de crescimento de folhas e floração.
Adapta-se a uma variedade de climas, tanto tropical como subtropical e temperado. Mas preste atenção a seguinte dica já que também existe informação errônea sobre isto na web:
IMPORTANTE: NÃO RESISTEM O FRIO, TEMPERATURAS DE MENOS DE 10 GRAUS PODEM MATAR AS PLANTAS, se sua área e muito fria, simplesmente deixe o vaso com as VIOLETAS PENDENTES dentro de casa, no inverno, no período de dormência, ou retire os rizomas do solo e guarde dentro de casa.
Se recomenda plantar os bulbos (são bem pequenos) juntos para que formem uma touceira.
Nos meses de inverno, a flor mágica seca e os rizomas não têm atividade, renascendo magicamente primavera onde com o calor e umidade constantes reviverão.
Conserve os rizomas em sacolas plásticas ate a época de plantio (agosto) numa temperatura de 12 a 21 graus ate a época de Plantio
Plante os rizomas a 2 cm de profundidade no fim de agosto ou em setembro. Utilize um composto orgânico ou substrato. São necessários seis a oito rizomas para obter um vaso cheio e compacto. Regue-os diariamente, não os deixe secar, mas não o encharque demais.
No início da germinação, evite que a planta sofra temperaturas inferiores a 15°C. Como já explicado os Achimenes precisam luminosidade, mas não de sol direto. Recomenda-se não molhar (ou molhar o mínimo possível) as folhas para evitar o desenvolvimento de fungos.
Para obter plantas encorpadas, faça uma poda manual, corte uns 2 cm da ponta dos caules ainda novos. Cada planta crescerá formando dois caules, o que resultará em um vaso bem cheio.
No outono reduza a irrigação quando a floração for diminuindo, e pare totalmente de molhar quando as folhas sequem. O melhor e cortar os caules bem ao nível do solo. Neste período de repouso vegetativo, pode deixar os rizomas no vaso (SEM MOLHAR!) ou retire-os com cuidado, limpe-os e guarde-os para seu replantio na primavera.
Seguindo as instruções deste Manual não terá problemas no cultivo de suas VIOLETAS PENDENTES, e na próxima temporada cada rizoma terá se multiplicado 3 a 6 vezes!

 *******************************************************************************
IMPORTANTE:
Em consulta com expertos sobre que fazer com os bulbines que chegam na época de nosso outono ou inverno, nos foi indicado PLANTAR eles de imediato. Molhar com moderação para evitar que desenvolvam fungos.
 ******************************************************************************
COMPRE RIZOMAS DE VIOLETAS PENDENTES NA PLANTAMUNDO!