quinta-feira, 27 de maio de 2010

EPIPHYLLUM - CACTOS ORQUIDEA DESDE SEMENTES

image
Se recomenda o plantio inicial  em bandejas apropriadas como a da foto. Bandejas de semeadura podem ser adquiridas em lojas especializadas ou então use recipientes como caixas de ovos ou copinhos plásticos.
Se seu recipiente  não tem tampa, pode fazer uma em casa com papel celofane ou plástico transparente), algo que deixe passar a luz e mantenha 100% da umidade, prevenindo as sementes de secar.
IMPORTANTE:  O fundo tem que ter vários furos para drenagem.

Cactus 0
Encha sua bandeja com o meio apropriado, sugerimos de ser possível uma mistura de  SUBSTRATO, e PERLITA, ambos bem finos. É importante que a textura seja fina, e caso contrario ela deverá ser peneirada.

Para a reprodução de seu solo de origem deveremos usar substratos que não retenham água, como areia, cascalho, cascas de árvores decompostas e composto orgânico de folhagens junto com o solo mineral comum de cultivo.

Apreciam solo de pH mais alto do que a maioria das plantas ornamentais necessitam, em torno de 6 a 6,5, então devemos evitar a colocação de turfa, cujo pH é de 3-3,5, preferindo húmus de minhoca que tem pH em torno de 7,0.
Quando o recipiente este completo,  a superfície deve ser alisada usando um objeto plano, como e feito na foto com o vasinho retangular. Pressione de forma suave, a ideia e aplanar a superfície e não compactar o substrato.

Cactus 1

Umedeça o substrato molhando em forma de suave nuvem, nunca com a água em forma direta, você não vai querer que a superfície plana já preparada para as sementes se arruíne. Molhe ate que a agua escorra pelos buracos do fundo. SIM VOCÊ ESTA MOLHANDO O SOLO ANTES DE COLOCAR AS SEMENTES :)  
 
Cactus 2

Coloque as sementes no substrato em forma ordenada (geométrica) para que as sementes fiquem todas numa distancia aproximadamente igual umas de outras.
Cubra as sementes com a mesma mistura usada como solo, as sementes não devem ficar expostas nem tampouco ser enterradas profundamente.

Cactus 3

Depois de cobrir as sementes, repita o procedimento de alisar a superfície, para ter certeza que as sementes estão em contato com o solo. De novo: não aperte muito, apenas alise.

Cactus 4
Molhe de novo com a mangueira apropriadamente preparada para fazer o efeito nuvem só para molhar a camada superficial do recipiente.
OU USE UM BORRIFADOR:
Borrifador

Isto será conseguido com uma ou duas passadas sobre ele, desde que a capa superficial e fina, e o resto do substrato já esteja úmido. E importante que NÃO se molhe com a forca da agua normal, porque caso contrario as sementes podem ficar enterradas e nunca germinar.

Cactus 5
Identifique a “estufa_ com o nome da planta ou plantas e a data em que as sementes foram semeadas.

Cactus 6
Cubra o recipiente e coloque-o num lugar sombreado onde receba pouca luz solar. O meio nunca pode secar, mas como ele estará coberto formando uma estufa, só será necessário molhar de novo (com o efeito nuvem) cada 2 semanas ou mais.



Cactos 6
Acima plantinhas de 7 semanas (desde plantadas). A tampa foi removida para a foto unicamente. As plantinhas tem que ficar no ambiente protegido ate que sejam bem maiores!!

Cactus 8
Aqui uma foto mais de perto. Esta não e uma situação perfeita, demasiadas sementes, elas estão demasiado juntas e isso não será bom na hora do transplante!
Cactus 9
Este jovem epiphyllum está mostrando o seu primeiro espinho. Na base a casca da semente já caída.
Cactus 10
Uma foto da mesma bandeja de epiphyllums com 14 semanas de idade, já quase prontos para o transplante!

IMPORTANTE: A germinação pode ser errática e demorar de 7 a 180 dias.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

ERVA DOS GATOS - Nepeta cataria

A erva-de-gato, erva-dos-gatos ou erva-gateira (Nepeta cataria), é uma planta que deve seu nome ao fato de atrair e provocas um estado de euforia em aproximadamente 80% dos gatos domésticos.

Em humanos não provoca qualquer efeito notável, e as folhas e ramos jovens podem ser usados como tempero ou como chá. Seu sabor e aroma é similar ao das hortelãs, mas mais suave.

A planta pode ultrapassar a 1 m de altura, embora geralmente seja menor quando cultivada. Suas flores flagrantes são brancas, rosadas ou lilases, e são uma boa fonte de alimento para abelhas.

Germinação e Plantio

Semeie no local definitivo da horta ou em sementeiras ou copinhas plásticos, e transplante cerca de 1 mês após a germinação, que leva normalmente uma a treês semanas, mas também pode ser mais demorada e irregular, especialmente quando a temperatura não é a ideal (21 graus)

As sementes são pequenas , e não devem ser enterradas demasiado. Se recomenda coloca-las  na superfície do solo, sendo cobertas apenas por uma leve camada de terra peneirada ou de serragem.

O espaçamento entre as plantas pode ser de 30 a 60 cm.

Molhar abundantemente 1 a 2 vezes por dia, sem encharcar.


Clima

Mesmo não sendo uma planta tropical, pode ser cultivada em praticamente todo o pais. Em nosso sitio no Rio, se desenvolve e floresce sem problemas.

Luz Solar

Esta planta se desenvolve melhor com pelo 4-6 horas diárias de luz solar direta.

Solo

Pode ser cultivada em praticamente qualquer tipo de solo, desde que seja bem drenado. Os melhores resultados são obtidos em solos arenosos moderadamente férteis. Esta planta também é bastante tolerante quanto ao pH do solo.

Irrigação

Irrigue de forma a manter o solo úmido nos primeiros meses, mas sem que fique encharcado. O excesso de água no solo pode prejudicar estas plantas.

Cuidados especiais


Plantas intactas normalmente não atraem os gatos, mas plantas que foram cortadas ou tiveram suas folhas esfregadas podem ser destruídas pelos felinos. Assim, esta planta pode necessitar de proteção contra os gatos, especialmente quando ainda está pouco desenvolvida.

terça-feira, 18 de maio de 2010

PEPINO (Cucumis sativus)

Cucumis sativus sikkimensis Cucumis sativus hmong red

Nome Botanico:
Cucumis sativus L.

Nomes Populares :
Pepino

Família :
Angiospermae – Família Cucurbitaceae

Origem:
Índia

Descrição:

Flor do pepino - cucumis sativus

Planta herbácea de ciclo curto, monóica, de característica rasteira e de tamanho indefinido.

O caule é anguloso e as folhas são recortadas e ásperas.
As flores apresentam-se masculinas ou femininas na mesma planta e a polinização é feita por abelhas, principalmente.

A flor feminina tem pétalas amareladas, tem cerca de 2 a 3 cm de diâmetro e são solitárias.
As flores masculinas são em maior número, apresentam-se em grupo e tem pedúnculo bem curto.

Modo de Cultivo :

Cultiva-se o pepino em locais ensolarados, de clima ameno a quente, pois a planta não tolera geada nem temperaturas menores do que 15 ºC.
Na horta caseira escolher um local junto a cercas em canteiros unitários, pois a planta invade os espaços e sufoca as vizinhas.

É preferível o seu cultivo em estacas ou cercas, o fruto fica limpo e perfeito, melhor que a produção no chão.

O solo de cultivo ideal é o areno-argiloso, fértil, rico em matéria orgânica e sem acidez acentuada.
Para plantio comerciais deverá ser feita a necessária análise de solos para correção do pH para 5,8 ou 6,8.

Semeadura direta em canteiro e solo:

Fazer a cova de plantio adicionando adubo animal de curral bem curtido, 100 gramas de adubo NPK 4-14-8, húmus de minhoca e 1 colher de cal hidratada, misturando tudo para incorporar bem.
Usar o espaçamento de 1,0 m x 0,50 m entre as covas. Colocar de 3 a 4 sementes/cova.

Após a emergência, fazer o raleio, retirando as mudas mais débeis e deixando apenas 2 a 3 plantas/cova.

É preferivel o cultivo do pepino em estacas ou cercas

Dicas e cuidados no cultivo do pepino :

Os cuidados com a planta são controle de inços, adubações de cobertura e condução das mudas.
Os inços são controlados pela capina, cuidando para não danificar o caule da planta cultivada.

Para uma produção a recomendação é a adubação de cobertura feita com sulfato de amônio em 3 aplicações com intervalo de 1 mês.

A condução é feita controlando seu crescimento e fazendo a desponta do broto apical da haste principal.
Isto propicia ramificações laterais com maior quantidade de flores.

Também é importante o controle de pragas, para o pepino são algumas doenças, como míldio, antracnose, mancha angular e outras, que deverão ser controladas segundo recomendações de técnicos.

A irrigação é importante para esta cultura.
A primeira fase é a mais crítica, quando a planta está em crescimento, necessitando de maior quantidade de água.
Quando o fruto está se formando poderá ser reduzida, pois o enraizamento definitivo já ocorreu, possibilitando maior captação da umidade e nutrientes.

Colheita

Após 50 ou 60 dias estamos prontos para começar a colher os frutos, quando o pepino atinge o tamanho de 20 cm e com a cor da casca verde-clara.
Isto irá variar conforme a variedade utilizada.

Uso alimentar e cosmético do pepino

O pepino é um fruto de baixa caloria, contém vitamina C, potássio e vitamina A, que está contida na casca.
Podem ser consumido em saladas, sopas frias e picles.

Sua polpa macerada pode ser usada em aplicação de máscara facial para peles avermelhadas pelo sol.
O pepino é muito usado em cosmética para a confecção de cremes, loções, hidratantes e xampus.

TOMATILLO - Physalis ixocarpa e outros physalis

 
 
As sementes de Tomatillo são geralmente bastante fáceis de germinar, mas a germinação pode ser um pouco mais demorada que em outras sementes de plantas hortícolas.

1) Preparação para o plantio.

GERMINE AS SEMENTES USANDO O MÉTODO DO FILTRO DE CAFÉ:

VEJA, CLICANDO AQUI 

Plante as sementes germinadas em pequenos recipientes, (por exemplo copinhos de plástico descartareis de 200 ml), já que o plantio direto no solo não é recomendado.
Use um substrato padrão para semente ou terra leve e  bem drenada. Certifique-se que o substrato esteja úmido antes de plantar as sementes, não deixe nunca secar, nem alagar!

2) Plantio. Cobra apenas as sementes com substrato e molhe com cuidado, evitando que o força da água enterre as sementes. Molhe novamente apenas quando note que o substrato começa a secar.

3) Germinação. É necessário calor para a germinação. Temperaturas de 20 a 30 graus. Menos de 20 graus e a germinação pode demorar, muito menos temperaturas ou temperaturas muito quentes, acima de 35 graus, e podem não germinar.

4) Cuidado com as mudas. Uma vez que alguns folhas verdadeiras têm desenvolvido, as mudas devem ser lentamente levadas para fora para acostumar a luz do sol direto. Deve-se tomar cuidado para não expor as mudas em forma direta ao sol tórrido, as plantas devem ser endurecidas gradualmente a exposição solar, usando sombrite, ou colocando-as em um lugar onde não peguem inicialmente o sol mais forte.

5) Plantio. Plante no solo uma vez que não exista perigo de geadas e as temperaturas diurnas consistentemente sejam acima de 18 graus.

Germinação: Pode demorar de 2 a 6 semanas mesmo em condições ideais.

LUFFA

Angled Luffa

BUCHA, ESPONJA VEGETAL

1. Escolha um local de terra boa, sem muita inclinação, arejado e que não seja úmido, recebendo em torno de 12 horas de sol por dia.

2.Gradear a terra, para ficar bem solta, a fim de facilitar o desenvolvimento das raízes e boa absorção da umidade.

3. Preparar as covas (40 x 40 x 40 cm.)

4. Para fazer a cova, retira-se a terra, que é misturada com 5 litros de esterco de galinha + 20 litros de esterco de boi; o esterco de galinha deve estar mais concentrado na parte da terra que retornará à cova para enche-la até faltar uns 5cm para a superfície. Na parte superior se coloca então, uns três centímetros da terra com maior concentração de esterco de boi e espalha-se o adubo 04-14-08, que é coberto com mais uns dois centímetros da mesma mistura de terra.

5. No centro colocam-se duas sementes selecionadas, dispostas em triângulo, as quais são cobertas com 2 cm. de terra fofa. AO PLANTAR AS "ORELHAS" DA SEMENTES DEVEM FICAR PARA ACIMA. Das duas plantas originais, a mais fraca devera ser descartada e apenas a muda mais forte ficará selecionada para ser conduzida até o topo da parreira – esta condução é feita somente pelo broto principal, desbastando-se os brotos laterais – por um guia: usa-se a ponta de um bambu do qual se desbastará os alongamentos dos galhos.

6. Com o restante da mistura de terra/esterco de boi constrói-se o entorno da cova, em forma de bacia, com as finalidades de conservar a umidade do solo ao redor da futura planta e de fazer convergir para ela os nutrientes.

7. Entre a preparação/calagem da terra e o plantio, a parreira (outras denominações: latada ou giral) já deve estar construída: com altura de 2 metros; com moirões esticadores (de preferência, eucalipto tratado, com 13 cm. de diâmetro e três metros de comprimento), que receberão contra-estacas e suportarão a malha básica, de arame farpado e em distâncias de até 10 metros; estes moirões serão entremeados por outros (de 7 a 10 cm. de diâmetro e também com três metros de comprimento). No topo destes alinhamentos laterais de moirões, serão colocados deitados, bambus finos que servirão para amarrar a malha de arame liso nº 18, que será formada por quadrados de 25 cm. No interior da parreira, ao longo da malha de arame farpado, e complementando o seu suporte, serão estaqueadas peças de bambu gigante.

FONTE: http://www.nabucha.net

Melancia

Melancia Amarela Black Watermelon

 

1. INTRODUÇÃO
A melancia (Citrullus lanatus (Thunb.)Matsum & nakai), pertence à família das cucurbitáceas, sendo originária do continente africano. É uma planta anual, de crescimento rasteiro, com várias ramificações que alcançam até 5 m de comprimento

A nível mundial, a melancia é a quarta hortaliça em volume de produção, com cerca de 47 milhões de toneladas anuais. O maior produtor mundial é a China, seguido pela Turquia, Irã, Egito e Estados Unidos . Na Europa, os principais produtores são
Grécia, Espanha, e Itália. Embora a melancia não apresente alto valor nutritivo, seus frutos são bastante apreciados pelo sabor refrescante, principalmente durante o verão.

2. CLIMA
As condições de clima ameno a quente, de dias longos e de baixa umidade relativa do ar favorecem o desenvolvimento da cultura e a qualidade dos frutos de melancia.

2.1 Temperatura
A faixa ótima para o desenvolvimento da cultura é de 23 a 28º C. A planta é muito sensível a geadas, sendo seu crescimento vegetativo paralisado com temperaturas abaixo de 12ºC.
Para a germinação, a temperatura mínima do solo deve ser de 16ºC, com um ótimo de 20 a 35ºC.

2.2 Umidade relativa do ar
Os frutos, em geral, apresentam melhor sabor, aroma e consistência em locais quentes e com baixa umidade relativa do ar. A alta umidade do ar favorece a incidência de doenças foliares.

2.3 Luz
Fotoperíodos maiores favorecem o crescimento vegetativo e o florecimento da melancia. Dias longos e quentes e noites quentes, que caracterizam verão quente e seco, são tidos como ideais para a cultura da melancia. Em condições de umidade alta e baixa insolação, os frutos apresentam-se sem sabor.

3. ÉPOCA DE PLANTIO
A época de plantio mais adequada é aquela em que durante todo o ciclo da cultura ocorrem as condições climáticas favoráveis. Para cada região, as condições favoráveis podem acontecer em épocas distintas do ano, de acordo com sua localização e altitude.


Em geral, nas regiões de clima frio, o plantio da melancia é feito de outubro a fevereiro; nas de clima ameno, de agosto a março, e nas regiões de clima quente, o ano todo, com uso da irrigação. No Nordeste o cultivo da melancia ocorre sob condições de chuva e sob irrigação. Deve-se evitar, porém, as épocas de chuvas intensas.

4. SOLO
Embora possa ser produzida em vários tipos de solos, a melancia desenvolve-se melhor em solos de textura média, profundos, com boa drenagem interna e boa disponibilidade de nutrientes. Devem-se evitar solos pesados e sujeitos a encharcamentos, o que a cultura não tolera.

A cultura da melancia suporta solos de acidez média, podendo produzir bem na faixa de pH de 5,5 a 7,0. Quando o pH for inferior a 5,5, deve-se proceder à calagem, com no mínimo três meses de antecedência do plantio. Recomenda-se aplicar de
preferência o calcário dolomítico, pois a melancia responde bem tanto à aplicação de cálcio, quanto à de magnésio, em termos de produção e qualidade de frutos .

6. ESPAÇAMENTO
O espaçamento recomendado para plantio irrigado é de 3,0 m x 0.8 m, deixando uma planta por cova tendo em vista que as cultivares de origem americanas requerem maior espaçamento do que as
de origem japonesa e no período frio as melancias crescem menos do que no período quente.


7. ADUBAÇÃO
Quando se faz adubação convencional utiliza-se um terço do
nitrogênio, todo o fósforo e um terço do potássio devem ser aplicados em fundação, antes do plantio. O resto do nitrogênio e do potássio devem ser aplicados em duas vezes em cobertura, aos 25 e 40 dias após o plantio. Quando se usa fertirrigação todo
fertilizante é aplicado em cobertura via água de irrigação.
Havendo disponibilidade suficiente de matéria orgânica na região, recomenda-se aplicar 10 m3/ha de esterco de curral curtido ou 1 t/ha de torta de mamona curtida em fundação, antes do plantio.

8. PLANTIO
A cultura é estabelecida por semeadura direta, usando-se duas sementes por cova, à profundidade de 2-3 cm.

Para a acelerar e uniformizar a germinação, pode-se fazer a embebição prévia das sementes em água, por quatro horas. O semeio deve ser feito em solo úmido, para evitar que as sementes se desidratem.

09. IRRIGAÇÃO
Na cultura da melancia na nossa região, o uso da irrigação é essencial para a produção e obtenção de altas produtividade e de frutos com boa qualidade e tamanho, especialmente durante o período seco. A freqüência das irrigações e o volume de água aplicado por irrigação variam de acordo com o tipo de solo, as condições climáticas e o estádio de desenvolvimento da
cultura.

A irrigação deve ser suficiente para manter o solo úmido até uma profundidade de 40 cm, evitando-se o excesso em qualquer fase da cultura. O intervalo entre as irrigações deve ser de dois a quatro dias em solos arenosos, de cinco a sete dias em solos argilosos, com maior capacidade de retenção de água.
Da semeadura até o início do crescimento das ramas, o fornecimento de água deve ser moderado, do início do crescimento das ramas até o florescimento, há um aumento gradual do consumo de água pela cultura, entre o florescimento e o início da maturação dos frutos, a cultura atinge o consumo máximo de água e as irrigações devem ser mais freqüentes. A falta de água nesta fase pode reduzir drasticamente a produção, do início da maturação até a colheita dos frutos, o consumo de água diminui e as irrigações podem ser mais espaçadas. O excesso de água nesta fase pode provocar rachaduras e podridões nos frutos e diminuição do sabor.

FONTE: CULTIVO DA MELANCIA,

Nivaldo Duarte Costa
Wëydjane de Moura Leite

http://www.unitins.br/ates/arquivos/Agricultura/Fruticultura/Melancia/Melancia%20-%20Cultivo.pdf

THAI MUSK MELON (Cucumis melo em geral)

Thai Musk Melon

 

O Melao gosta da combinação de alta temperatura com alta luminosidade e baixa umidade relativa.

Temperatura - A temperatura é o principal fator climático que afeta a cultura do melão, desde a germinação das sementes até a qualidade final do produto. Para uma boa produtividade a cultura precisa de temperaturas elevadas na faixa de 25ºC a 35°C, durante
todo seu ciclo de desenvolvimento.
A polpa de melão, à medida que a temperatura se eleva, dentro de certos limites, tornase mais doce e a sua maturação é mais rápida e completa. Sob baixas temperaturas (15ºC – 20ºC), a ramificação do meloeiro é afetada resultando em plantas pouco desenvolvidas e
baixas produtividade.
Porem temperatura elevadas acima de 35/40ºC e temperaturas abaixo de 12ºC sao prejudicias.
Luminosidade - A intensidade luminosa é outro fator climático que exerce influência na cultura do melão. Quando a temperatura está abaixo do ótimo, a taxa de crescimento foliar é determinada pela intensidade luminosa. A redução da intensidade de luz, ou encurtamento do período de iluminação, determina uma menor área foliar e menor producao de frutos.

Umidade relativa – A faixa ótima de umidade relativa do ar para o desenvolvimento do meloeiro situa-se de 65% a 75%

Umidade do solo – O meloeiro é uma planta considerada pouco exigente em umidade do solo, porém necessita de suprimento adequado para seu pleno desenvolvimento vegetativo. Menores rendimentos são obtidos em condições de déficit hídrico. Entretanto, é importante frisar que tanto o excesso quanto a falta de umidade no solo afetam a fisiologia da planta e a qualidade do fruto. Assim, temperaturas elevadas associadas a alta luminosidade, baixa umidade relativa e umidade do solo adequada, proporcionam as condições climáticas necessárias para a boa produtividade da cultura e para a obtenção de frutos de ótima qualidade (aumenta o conteúdo de açúcares, melhora o aroma, o sabor e a consistência dos frutos).

ÉPOCA DE PLANTIO
A época de plantio mais adequada é aquela em que, durante todo o ciclo da cultura, ocorrem as condições climáticas favoráveis. Para cada região, essas condições podem acontecer em épocas diferentes do ano, de acordo com sua localização e altitude. Em geral, nas regiões de clima frio, o plantio do melão é feito de outubro a fevereiro; nas de clima ameno, de agosto a março e nas regiões de clima quente, durante o ano todo. Como exemplo, na região do Vale do São Francisco, o plantio do melão pode ser feito durante o ano todo. Deve-se evitar, porém, as épocas de chuvas intensas.

SOLO
A cultura do melão se adapta a diferentes tipos de solos, mas não se desenvolve bem naqueles de baixadas úmidas, com má drenagem, e nos tipos muito arenosos e rasos. O sistema radicular do meloeiro é, normalmente, superficial, porém, em solos profundos e bem arejados, atinge profundidades acima de 1 metro. Por isso, deve-se dar preferência a terrenos com boa exposição ao sol, escolhendo os solos férteis, com 80 cm ou mais de profundidade, de textura média (franco-arenoso ou areno-argiloso), com boa porosidade, que possibilitem maior desenvolvimento do sistema radicular, melhor infiltração da água e drenagem mais fácil.

FERTILIZANTES

Os fertilizantes minerais mais utilizados são as fórmulas comerciais, como 06-24-12 e  10-10-10, o sulfato de amônio (20% de N), a uréia (45% de N), o superfosfato simples (18% de P2O5 ), o superfosfato triplo (42% de P2O5), o cloreto de potássio (60% de K2O) e o sulfato de potássio (50% de K2O)

PLANTIO
A cultura pode ser estabelecida principalmente através de semeadura direta ou mediante o transplantio de mudas de melão produzidas em recipientes apropriados, tais como: bandejas de isopor, sacos plásticos ou copinhos de jornal. As cucurbitáceas, em geral, não toleram a formação de “raízes nuas”. É necessário ter cuidado para não passar do momento exato do transplantio, que não deve exceder o período da emissão da primeira folha definitiva (15 dias após semeadura). Vale salientar que o semeio direto no campo antecipa o ciclo da cultura em relação ao transplantio de mudas,

ESPAÇAMENTO
Em pequenas áreas, usa-se, normalmente o espaçamento de 2 metros entre fileiras e 0,30 a 0,50 metro entre plantas

IRRIGAÇÃO
A cultura do meloeiro é bastante exigente em água e seu suprimento deve ser feito na época adequada, visando altos rendimentos e frutos de boa qualidade, não sendo muito
tolerante à umidade elevada, nem à presença constante de água nas hastes e folhas.

A freqüência das irrigações e o volume de água aplicado por irrigação variam de acordo com o tipo de solo, as condições climáticas, a variedade e o estágio de desenvolvimento da cultura. Dessa forma, em solos arenosos, recomenda-se que a irrigação
seja diária e até uma segunda vez, ao passo que em solos argilosos, a lâmina de água pode ser aplicada de uma só vez, a cada dois dias.

Calçamento dos Frutos
É uma prática comum no interior de São Paulo. Consiste em calçar o fruto com dois pedaços de bambu, palha ou capim seco, para não haver o contato direto dos frutos com o solo, evitando o apodrecimento dos mesmos (principalmente na época chuvosa, na fase próxima à colheita), em decorrência de pragas, tais como broca das hastes e broca das cucurbitáceas. Essa prática reduz, também, a mancha de encosto.

FONTE: O CULTIVO DO MELAO, Nilvado Duarte Costa:

http://www.unitins.br/ates/arquivos/Agricultura/Fruticultura/Mel%C3%A3o/Mel%C3%A3o%20-%20Cultivo.pdf

Ervilhas

Ervilha Tailandesa

BOTÂNICA
FAMÍLIA: Leguminoseae
GÊNERO: Pisum
ESPÉCIE: Pisum sativum (L.)

A ervilha  é uma planta originária do Continente Europeu e comum, também, em parte da Ásia. No Brasil, adaptou-se muito bem à região Sul e, posteriormente, às condições do cerrado, região na qual se adaptou bem.

A germinação ocorre em temperaturas que vão desde 5 até 25 ºC, com melhores resultados na faixa de 14 a 17 ou 18 ºC.

É uma cultura que requer pouca chuva e os melhores solos para seu plantio são os de aluvião ou os argilo-arenosos, férteis, com pH entre 5,9 e 6,8 e que apresentem uma boa aeração e que sejam drenados.

Devido à sua origem européia e asiática, o cultivo de ervilha é propício em regiões temperadas, em maiores altitudes e em regiões tropicais.

Apesar de as ervilhas “gostarem” do frio, a produção pode ser prejudicada por geadas no florescimento e formação de vagens (grãos moles, aquosos), devendo, desta forma, serem evitadas regiões mais sujeitas a este evento.

O maior problema de déficit hídrico ocorre do início da floração até a maturação fisiológica. Na pré floração tem tolerância a stress hídrico. No geral, porém, é uma cultura que requer pouca água. A irrigação pode ser recomendade, portanto, nas fases iniciais do cultivo, com pequena quantidade de água. Nas fases posteriores, a irrigação deve ocorrer raramente.

Na região Sul, o plantio é feito em julho, devido às baixas temperaturas. Já na região dos cerrados, em abril, logo após o término das chuvas.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Cebola - Ailsa Craig - Elista - Cipolla Rossa de Toscana - todas as variedades

cipollardt



Germinação e Cultivo
Recomenda-se colocar as sementes na geladeira por 30 dias antes de semear. Colocar as sementes secas, num saco plástico na gaveta de vegetais da geladeira.  Depois dos 30 dias retirar as sementes e deixar em molho de GA3 (se disponível) por 24 horas.

A temperatura ideal de germinação é na faixa de 15 a 26C, (Nesta faixa de temperatura, a porcentagem de germinação é máxima, assim como aumentam linearmente a taxa de crescimento da planta toda e a área foliar).

Germinação de 7 a 14 dias. 

A SEMEADURA É SIMPLES, APENAS COBRIR AS SEMENTES COM 1 ou 2 MILÍMETROS DE SUBSTRATO OU TERRA ORGÂNICA E MOLHAR DIARIAMENTE SEM ENCHARCAR.

Após a emergência, há um período de crescimento lento até aproximadamente 75 dias após a semeadura, seguido de outro de crescimento rápido, controlado principalmente pela temperatura. Finalmente, ocorre a fase de desenvolvimento de bulbos, quando a planta cessa a emissão de folhas, a taxa de crescimento das folhas decresce, as bainhas foliares do bulbo entumescem para formar o tecido de armazenamento. Esta fase de bulbificação é controlada principalmente pelo fotoperíodo e temperaura e ocorre um alongamento da região do pseudocaule.

Épocas de plantio
Considera-se como época ideal para o plantio, os meses de março a junho. Com o plantio neste período, a cultura se desenvolve durante época de temperaturas mais amenas, especialmente as noturnas, e menos chuvosas, favorecendo o desenvolvimento das plantas e facilitando o controle de doenças. Entretanto, em algumas regiões da Bahia e de Pernambuco, o plantio pode ser realizado durante o ano todo.
 
Nas regiões Centro Oeste, Sudeste e Nordeste, os melhores meses para a semeadura são março/abril, mas dependendo da variedade pode ser semeada o ano todo.

Cultivo
 
Na escolha do local da sementeira deve-se dar preferência por local ensolarado de manhã e sombreado à tarde, com disponibilidade de água de boa qualidade, de fácil acesso e, na medida do possível, estar próximo do local definitivo de plantio.
 
É recomendável a cobertura dos canteiros da sementeira com fina camada de palha de arroz ou capim seco até o início da emergência das plântulas, quando o material é retirado. O procedimento visa obter maior retenção de umidade na superfície durante o período da semeadura à germinação.
Durante o crescimento das mudas, os canteiros devem ser limpos por meio de capinas manuais e efetuar adubação de cobertura, segundo recomendação.
 
As mudas são transplantadas quando apresentam o pseudocaule com diâmetro entre 4-8 mm ou 3-4 folhas. Nesta fase as mudas estarão com idade entre 40 e 70 dias, dependendo da cultivar e época do ano. Selecionam-se as mudas mais vigorosas e o transplante é realizado em canteiros ou diretamente para sulcos abertos no nível do solo, sem a utilização de canteiros. 
CULTIVO A PLENO SOL.
 
Temperatura
Temperaturas altas diurnas são promotoras da bulbificação mais eficientes do que temperaturas altas noturnas. Temperaturas extremamente altas (35C) na fase inicial de crescimento das plantas podem provocar a bulbificação precoce, e é um dos inconvenientes do plantio no verão no Brasil. Temperaturas baixas podem alongar o fotoperíodo crítico e podem prejudicar a formação dos bulbos. Exposição a breves períodos de frio extremo (6ºC) favorece o engrossamento do pseudocaule.  É importante temperaturas moderadas a altas para completa formação dos bulbos, ideal entre 15 e 25ºC.

fonte: EMBRAPA: http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cebola/plantio.htm


segunda-feira, 10 de maio de 2010

Hibiscus mutabilis – ROSA LOUCA

Hibiscus-Confederate-Rose

O Hibiscus mutabilis, chamado de Rosa Louca, Confederate Rose, ou Rosa de Algodão, é um arbusto que pode alcançar uma altura de ate 3 metros em seu tronco lenhoso; no entanto, é mais típico um arbusto de multi-tronco de menos de 2 metros de altura.

O Hibiscus mutabilis é nativo do Sul da China, e é uma planta favorita de para o paisagismo tropical. Está entre as plantas mais espetaculares e e de crescimento mais facil para nossos jardins.

As flores abrem puro branco e mudam no mesmo dia, ou em um periodo de ate três dias a cor-de-rosa e então quando morrem sao de cor magenta. A característica mais notável deste arbusto de florescência é que flores de três cores distintas aparecem no arbusto simultaneamente!!

As flores são hermafroditas têm órgãos tanto masculinos e femininos.

CULTIVO:

Tolera frio (todos os do Brasil) e calor.

DE MUITO FACIL CUIDADO, este arbusto verdadeiramente cuida de si e é adaptável a a maioria de localizações e condições. O Hibiscus mutabilis prefere sim uma terra fértil rica em materia organica.

A Rousa Louca é uma planta interessante e atraente que cresce em sol pleno ou sombra parcial. Este arbusto prospera com regas regulares mas e tambem tolerante a seca.

GERMINACAO -

Os especialistas recomendam lixar suavemente as sementes para permitir a passagem da umidade. Deixar em agua por 24 horas antes de semear.

A semente germinam em 15 a 30 dias, mas mesmo em boas condicoes, a germinacao pode ser erratica e demorar ate 20 semanas!. Semear a 2 mm de profundidade. Precissam de luz, terra úmida e temperatura calida.

Se recomenda o uso de GA3.

Seu Hibiscus mutabilis podera florescer a partir de semente ja no primeiro ano!.